Se e somente…SE.

*Nota mental escrita durante esta madrugada.

Subimos montanhas, nos prendendo nas pedras, ora olhando para baixo
Ao respirar o ar de todas as manhã, nos sentimos tão pequenos,
Ante o sorriso de uma criança alegre nos braços da mãe,
Não existem surpresas que nos amedrontem, nesse mundo,
É apenas nossas mãos dando bordoadas no escuro,
É apenas nossa dor tão mesquinha nos atormentando,
É apenas um Amor que nunca existiu indo embora.

Na dor nossa de cada dia, há um espetáculo fabuloso,
Milhares de borboletas rodopiando num campo de margaridas,
E aquela criança dentro de nós se liberta, e se põe a correr,
Distante dos problemas, vamos sorrir como crianças bonitas,
E talvez isso nós faça sentir pequenos demais, ante a beleza
De um milhão de cores explodindo no horizonte, brincando com nossos olhos.

E de repente ao olharmos para o céu, há uma ave de rapina
Rodopiando em círculos, calmamente pela manhã durante a semana
O frescor deixado pela orvalhada da madrugada, e os olhos azuis,
Da criança que parece um anjo de mãos dadas com o pai, de traços fortes
Então olhamos para nossas vidas, ela pode ser bela também?
E então, um dia me disseram que há muitas verdades e meias-verdades,
Nesse caminho cheio de pedras, nunca teremos certezas de nada,
Há apenas o nosso discernimento ante a razão do coração.

Se somente pudermos contemplar o horizonte sem compromisso,
Alguém nos diria que estamos apenas perdendo tempo,
O quão bonito é um homem perdido em pensamentos, em olhos calmos,
Se e somente se, nos apaixonássemos por nós mesmos,sem dor e mágoa
Talvez o mundo seria um pouco menos doloroso, mas a vida está aí,
Rodopiando em torno de nossos medos, ansiedades, lágrimas e felicidade,
E o Amor me faz sentir pequena, ante a escuridão e desejo que o permeia.

Temos um coração a se manter calmo, vamos sair de mãos dadas,
E eu lhe digo apenas que a vida é passageira demais para termos medo,
Lhe beijo os olhos grandes, porque alguém me disse um dia,
Que os olhos podem ser o espelho da alma, e teus olhos são bonitos
Se e somente se, nós déssemos as mãos, talvez poderei amar,
A vida seria mais passageira, como o sorriso de uma criança
Não importa, somos tão pequenos quando sozinhos?

Se e somente se…pudéssemos ser um pouco mais sensatos,
Um dia alguém me disse, que meu corpo dançaria conforme uma música,
Que Amor e Sexo podem caminhar em linhas diferentes, mas se dão as mãos,
De vez em quando nos quartos, na penumbra de um bairro do subúrbio,
E então um dia o Amor se acabou, alguém me disse que um dia isso acaba,
E eu com muita dor, aceitei e saí a caminhar por aí, com sentimentos vazios,
E foi então que meus olhos se abriram e nunca me surpreendi tanto,
Para as coisas que sempre estiveram ali, passando despercebidas,
E então eu me senti tão pequena…você me faz sentir tão pequena,
Diante deste coração tão surrado quanto o meu, vamos caminhar juntos,

E um dia me disseram, vamos dar as mãos e sair por aí,
Rompendo nossas barreiras tão mesquinhas que nos aprisiona,
E nada será dito, além de palavras sensatas e histórias a contar
Talvez seja mais engraçado e surpreendente do que imaginei,
Mas você segura minha mão como se me conhecesse há tempos,
E como um livro vira a página e me conta aquela história,
E então eu me sinto tão pequena, estive o tempo todo sem perceber,
Que meus olhos grandes estavam cegos por uma venda, então eu dei risada,
Porque um dia me disseram, que a vida é uma piada, contada por um comediante frustrado.

E um alívio, um grito de liberdade sã e consciente grita dentro deste coração,
E um dia alguém me disse, que quando abrimos os olhos depois de tempos cegos,
Nós nos sentimos tão pequenos…tão pequenos diante de nossa idiotice,
E um dia me disseram que há milhões e milhões de pessoas neste mundo,
E um deles estará a sorrir pra mim…um dia me disseram, em tom de sermão:
Se e somente se, a vida sorrir para nós, devemos então, sorrir pra ela também.

8817614

Mova-me

As ondas, quebradas à beira mar…
Molhando meus cabelos, meu corpo…
Sinto então o salgado mar, que ironia!
Escorrendo nos lábios, já sentiu isso antes?
É desconcertante, a sensação,
De um milhão de fagulhas salgadas,
Meu suor, minha dor, meu paladar,
Tudo tão salgado…Áspero…
Feito o mar de todos os Deuses,
Feito a areia que escorre entre os dedos…
O sol, a iluminar, o meu sorriso, incrédulo?
Talvez…
Os olhos, os cabelos, o rosto…Quentes,
Com os raios de sol que um dia nos matará,
O fim chega pra todos nós… e o meu Amor?
Acabará um dia, ou o levarei comigo,
Para uma eternidade, um lugar que ninguém,
Nunca voltou pra dizer que existe…Sou cética?
Talvez…Mas meu Amor, olhe o céu lá fora…
Cores alaranjadas, raios de luz, estrelas brilhantes,
Por um instante, um único instante, porém tão Eterno…
Eu olho para os céus, inquieta…e me calo,
Me calo na calada da noite, nos raios de sol, estrelas…
Mantenho-me calada…O silêncio me move.

Solitude – Nosce te Ipsum

Este bichinho simpático é conhecido como Eremita. Ele vive sozinho dentro de sua concha, mas ele necessita da interação da Anêmona. Isso se chama Simbiose. Nós, humanos, assim como o Bernardo-Eremita aí da foto, temos que aprender a conviver sozinhos e ao mesmo tempo conviver com outras pessoas ao nosso redor. A solidão não é benéfica quando vista da perspectiva da redoma de vidro.

We sail,
through endless skies,
stars shine like eyes,
the black night sighs.

Estive muito tempo pensando sobre a solidão. Aquela questão de se aprender a conviver bem consigo mesmo, sem ter que viver dentro de um escudo de isolamento. Aquela coisa de se conhecer. Quantas pessoas já separaram um tempo para colocar a vida em ordem, tirar um tempo para si, mas sem ter que se afastar de tudo e de todos? Isso não significa ser uma pessoa egoísta e anti-social, que não quer ver outras pessoas pela frente, não significa que você odeia as pessoas ou que é uma pessoa triste e infeliz, apesar de neste período normalmente diminuirmos bem as interações sociais, por estar num profundo momento de reflexão pessoal. Estou falando de solidão, em ambos os sentidos, digamos, espiritual e pessoal também, não somente na condição de relacionamentos amorosos, capiche?

Conhece a ti mesmo?Não somos meros coadjuvantes nessa vida, a vida é como uma simbiose entre uma anêmona e um paguro-eremita, ela é harmoniosa e recíproca quando sabemos viver respeitando os espaços um do outro, sem exigências e sem exigir nada em troca, trocando experiências de vida, de maneira que os indivíduos cresçam. O paguro tem a proteção da anêmona que protege sua estrutura frágil, a anêmona se beneficia do deslocamento do paguro para obter alimentos de maneira mais ágil. Vivemos em simbiose, uma proto-cooperação. Quem vive em uma redoma de vidro, é sufocado pela própria existência. A solidão só é benéfica quando temos um tempo para aprendermos mais sobre nós mesmos e nos tornarmos atores principais de nosso próprio palco, afinal nós nascemos sozinhos, e isso é uma condição natural do homem. Quando aprendemos a lidar com nossa solidão, nos tornamos fortes o suficiente para sermos anêmonas ou paguros na vida de outras pessoas.
Como eu já escrevi no post anterior, eu costumo fazer uns programas “alone”. Eu gosto de por exemplo, entrar numa livraria ou numa FNAC da vida e ficar horas e horas lá dentro, ou sair para caminhar, 1 ou 2 horas de caminhada diárias. Eu faço isso para colocar os pensamentos em ordem, para ter novas idéias, pensar e repensar em atitudes, e muitas vezes apenas observar ao redor. É um tempo que reservo pra mim, esqueço trabalho, esqueço tudo. Eu vou para a aula de flamenco, e depois faço uma caminhada em Barão Geraldo, até chegar em casa. Já me falaram que é perigoso, mas enfim, existem pessoas que certas coisas só na base da porrada mesmo. Eu gosto de caminhar, e gosto de caminhadas noturnas. Eu sempre achei a noite uma coisa belíssima, assim como finais de tarde, quando fica aquele clima barroco no ar, jogos de sombra e luz, aquele céu meio laranja, ou arroxeado.
Quando saio, depois das horas na livraria e algumas vezes cinema, eu gosto de sair para tomar um vinho e comer alguma coisa, fazer uma “gordice” solitária. Costumo ir no restaurante Monte Bello, no Parque Dom Pedro. Lá tem rodízio de pizza por preços bem acessíveis, e tem aquele suco de uva integral Mitto, que é uma delícia. Vinhos eu costumo tomar no Giovanneti, que possui uma carta de vinhos de melhor qualidade, ou compro uma garrafa e levo pra casa, para tomar enquanto leio ou escrevo algo, ou simplesmente ficar sentada largadamente na minha cama pensando na vida. Vinho é uma bebida para se tomar vagarosamente, pensando na vida, uma bebida para se tomar sozinha(o) com no máximo mais uma pessoa, se é que me entendem…sabe…o clímax…vinho vermelho igual paixão…capiche?São nestes locais, dentro de restaurantes, que eu me sinto julgada. É engraçado a reação das pessoas ao ver uma pessoa comendo pizza sozinha, parece bizarro, mas acontece mesmo. Quando eu entro no restaurante, depois de ter escolhido a mesa e disposto as minhas comprinhas numa cadeira ao lado, o garçom pergunta se estou esperando alguém e eu respondo que não. No restaurante Monte Bello, como já sou cliente assídua, na última semana o garçom perguntou se poderia fazer uma pergunta pessoal: ele me perguntou se eu não me sentia sozinha, e eu sempre fui pra lá sozinha, de noite, aos finais de semana, em um lugar cheio de pessoas confraternizando, casais trocando juras e carinhos suaves no rosto, dividindo garrafas de vinho, tomando na mesma taça, ou entrelaçando as taças, ou muitas vezes discutindo a relação.  As pessoas olham para você como se fosse uma pobre coitada,  elas te olham e comentam a sua “solidão” com as pessoas ao lado, e eu apenas observo ou simplesmente tiro um livro da sacola e me coloco a ler, intercalando a leitura com algumas espiadinhas ao redor. Sou uma pessoa detalhista. Eu gosto de detalhes, gosto de observar. Eu sento em uma mesa, gosto de observar o movimento, o comportamento das pessoas, seus gestos, peculiaridades e eu me sinto absurdamente viva, e acho engraçado a reação das pessoas: “Ana você vai num rodízio sozinha?”, falou um amigo meu com cara de espanto, como se isso fosse a pior coisa do mundo que acontecesse na vida de alguém. Eu vi, algum tempo atrás, um trecho do livro “Quando Nietzsche chorou”, do Irvin Yalom, que falava sobre a solidão. Dizia o trecho que a pessoa que sabe abraçar a solidão, que sabe viver como uma águia, será uma pessoa mais forte em um próximo relacionamento, porque não usará o(a) companheiro(a) como um escudo anti-isolamento. Eu vejo muitas pessoas por aí em um desespero quase doentio, em um medo intenso de ficarem sozinhas, como se a solidão fosse um bicho de sete cabeças e que a vida será assim sempre, como se a pessoa será “forever-alone” para a vida toda. Eu tenho uma amiga que brinca que ela vai ser daquelas pessoas que sentem compulsão em pegar animais, ela diz: “Eu vou ser aquelas tias com mais de 100 gatos e muitos cachorros cagando alucinadamente no quintal e eu a recolher fezes o dia inteiro, porque a única coisa que me restará é o amor dos animais, pois eles não pedem nada em troca, faça um simples afago diário, os leve para passear, água e comida, apenas isso”. Concordo sobre a opinião dela sobre o amor incondicional dos animais…Mas acredito que não é bem assim que funciona. As coisas apenas acontecem na hora e momentos certos que tem que acontecerem, as consequências que vêm depois são unicamente culpa de nossos atos. Se agirmos corretamente e sermos sensatos, as coisas vão se encaminhando, mas…é tão difícil não tropeçarmos e deixar de sorrir para a impulsividade, deixar de agir sem pensar…

Todas as pessoas deveriam ficar sozinhas de vez em quando, para estabelecer um diálogo interno e descobrir sua força pessoal. Na solidão, o indivíduo entende que a harmonia e a paz de espírito só podem ser encontradas dentro dele mesmo e não no outro.

A grande maioria das pessoas vêem a solidão, tanto amorosa quanto “social” como uma espécie de morte, e querem desesperadamente preencher o vazio que sentem com a primeira pessoa disponível que aparece pela frente, muitas vezes, brincando com sentimentos ou no caso da solidão “social”, o fato de não serem capazes de ir numa sessão de cinema desacompanhadas, por exemplo. Lógico que Amar é bom, sair com os amigos, todo mundo quer uma pessoa ao lado certo?Todo mundo fica angustiado quando está amando alguém e não pode ter a pessoa ao lado, afinal, é bom ter alguém para partilhar as emoções do dia a dia, ou quando não tem nenhum amigo para acompanhar numa festa, ou assistir um filme e rachar a pipoca.
Quando falamos sobre os relacionamentos amorosos, pessoas que conseguem lidar com a solidão,  sabem respeitar melhor os espaços, sufocam menos o relacionamento, pois passam a enxergar que todo mundo precisa de um tempo para si. Eu confesso que o sufocamento e a pressa foi um dos fatores que me fez terminar um longo relacionamento. Eu tenho colhões o suficiente para admitir, que o fato de eu não ter aprendido a conviver com a solidão, como hoje estou sabendo lidar, me fez sufocar o meu companheiro de uma certa forma, e eu não enxergava que eu conseguiria fazer as coisas sem depender dele. Uma amiga me disse um dia que eu era muito dependente, na época eu discordei, mas hoje eu vejo que sim, eu era muito dependente, e eu não precisava disso. Claro, isso não foi, o fator principal do término, mas colaborou para o desgaste, para as brigas intermináveis, a falta de diálogo, troca de ofensas.
Depois que terminei o meu relacionamento e voltei para minha cidade natal, me senti desnorteada. Muitas vezes sentei e chorei porque não sabia o que seria da minha vida dali em diante, porque toda a minha vida virou de pernas para ar. Foi como se eu fosse uma criança perdida. Aos poucos e com apoio de minha família e amigos, fui reconstruindo minha vida, e foi como se eu tivesse renascido. Quando eu arrumei um emprego, decidi que sairia da casa de meus pais, até porque nos últimos 2 anos, morei fora, tinha uma certa independência. A princípio eu queria dividir um apê ou uma casa com alguém. Mas depois, eu repensei e decidi morar sozinha. Hoje eu digo que foi a melhor escolha que eu fiz. Nunca amadureci tanto em curto espaço de tempo. Hoje eu me amo mais, enxergo o mundo com outros olhos. Eu posso dizer com todas as palavras que nunca me senti tão mulher como eu me sinto hoje. Hoje eu sou uma mulher que acredita no meu poder pessoal, muito mais segura de minhas atitudes, uma pessoa sem medo. Antes eu tinha muito receio de demonstrar uma atitude, de demonstrar sentimentos. Hoje eu não perco mais o meu tempo, me escondendo atrás de um muro alto. Eu aprendi a dar a cara para bater, é como ligar o botãozinho foda-se. Antes eu me preocupava muito com o que os outros vão achar. Hoje não mais. Eu escrevo neste humilde blog, e não estou preocupada com estatísticas, não estou preocupada se alguém ou ninguém vai ler, se vão falar a la Bocage, “Esses poema “ficaro” uma bosta”. Antes, eu escrevia meus poemas e jogava fora, porque eu achava que ninguém ligaria para o que estava escrito ali, porque eu achava que tudo o que eu fazia teria de ser importante para os outros. Escrever me faz bem, me lava a alma, me deixa mais leve, porque eu tiro tudo aquilo que eu gostaria de dizer, de uma certa forma é a forma de me mostrar quem eu sou para o mundo. É muito mais fácil me conhecer pelos meus textos, pois tem muitas coisas que eu demonstro ser somente aqui (“Nossa Ana…não sabia que você era romântica…”). É neste endereço humilde e gratuito que eu mostro todas as minhas cores, e lá fora, muitas vezes eu estou apenas em preto e branco. Ficaria muito feliz se alguém elogiasse tudo isso aqui, se tivesse mais comentários, se a pessoa que eu amo e destino 99,9 por cento dos meus poemas não profissionais mas não tão horríveis assim, porém extremamente sinceros, desse mais atenção para o que está escrito aqui, e aparecesse fazendo algum comentário extremamente sutil (eu adoro sutilezas, acho extremamente elegante) ou apenas escrevesse qualquer, mas qualquer coisa,poderia ser “Esses poema “ficaro” uma bosta” , mas isso não é mais um fato de exclusão, de jogar tudo num buraco e colocar fogo, como fiz com meus escritos que eu tinha dos meus 15 aos 20 anos. Eu não vou excluir o blog porque ele não passa da média de 5 a 15 acessos. Aprender a conviver com a solidão, me fez enxergar que a vida está aí para darmos a cara pra bater, e como diz o sábio médico  Flavio Gikovate, a solidão não é vergonha, é dignidade.
E para encerrar o texto de hoje, eu sou teimosa e não aprendo, eu não posso encerrar isso sem falar de Amor, mesmo que seja um Amor que muito provavelmente nunca vai dar em nada, talvez porque deveria ter ficado quieta como sempre, pois eu nunca dei a cara para bater, e nunca fui de demonstrar sentimentos, pois tinha muito medo de julgamentos. Um dia uma pessoa muito especial e que hoje está desaparecida a dias, muito provavelmente ao inferno de final de semestre ou outro motivo qualquer(talvez alguma abdução alienígena, vai saber…), me disse que estava brincando de ser eremita, e eu me lembro(tenho memória de elefante) que ele disse “quando eu brinco de eremita…”. E foi com ele que eu aprendi que brincar de eremita é uma coisa muito bonita e capaz de mudar a forma de enxergar a vida. E desde então eu vivo aqui na minha casinha, na minha montanha particular observando um lago azul imaginário lá embaixo. Talvez eu encontre este belo ermitão por aí, sentado nas pedras(conversando com os musgos, quem sabe, ele disse que ainda não chegou ao ponto de conversar com pedras musguentas), pensando longe, muito longe. Eu daria tudo por pelo menos 1 por cento do que se passa naquela cabecinha complexa e adorável. Talvez, um dia, caso nos encontrarmos, poderíamos acender uma fogueira, sentarmos os dois numa pedra, e então eu vou contar uma história, pois um dia este velho homem me disse que gostava de história…

“Ele não sabe mais nada sobre mim. Não sabe que o aperto no meu peito diminuiu, que meu cabelo cresceu, que os meus olhos estão menos melancólicos. Ele não sabe quantos livros pude ler em algumas semanas. Não sabe quais são meus novos assuntos nem os filmes favoritos. Ele não sabe quantos amigos desapareceram desde que me desvencilhei da minha vida social intensa. Ele não sabe que eu nunca mais me atentei pra saudade. Que simplesmente deixei de pensar em tudo que me parecia instável. Que aprendi a não sobrecarregar meu coração, este órgão tão nobre. Ele não sabe que tenho estado tão só sem a devastadora sensação de me sentir sozinha. Ele não sabe que desde que não compartilhamos mais nada sobre nós, eu tive que me tornar minha melhor companhia: ele nem imagina que foi ele quem me ensinou esta alegria.”

—————————————————————————————————————————

Primeira citação: Trecho de Planet Caravan, do Black Sabbath.

Segunda Citação: Flávio Gikovate, médico psicoterapeuta especialista em relacionamentos humanos. O cara é genial e tem argumentos e contra argumentos sobre tudo no que se diz respeito a relacionamentos.

Terceira Citação: Marla de Queiroz, dona deste blog aqui, que a propósito, escreve muito bem: http://doidademarluquices.blogspot.com.br/

I don’t know what to say…

Let it go, when I meet you
All the clouds parted, all that light came shining through…

This… I write now, is the hardest thing I’ve ever put on paper. And this text here, I’ll be the most honest and straight I’ve been. I never lied to you, believe me, but especially when you read this, I do not get no doubt, because I tried not to use metaphors, what you read here will not be hidden on a veil of a second interpretation, or a “do not get me wrong.”Now, I will not be misunderstood. And I pray, I pray to God that don’t misunderstand me. Have you ever … I wonder, have you ever not understood what I wanted to tell you?Did you got it all wrong so far? What kind of woman cliché you think I am? You think I’m just one? Dear … sorry to tell you, well, I’m not an ordinary woman. I doubt, I put my hands on fire, you’ve met someone like me. I am only my love, I make all the difference in a crowd, but this difference are very few who see. Few people that I see inside, there are few people who come to me and say, I’m unusual because I pretend, I pretend not do difference. I love me, know this, I have a like “Lion” to be, but this is not the side …Its not most important thing that matters now … my self-love?Don’t interest now. What’s important is that I never wrote anything with so much love and sincerity. Now, at this point, I’m putting everything I ever wanted to tell you, from the outside. Maybe that’s what you want … a bit of sincerity, or a little more sincerity? Want something outright? Direct and straight? All I ask, my love, I’ll do the only thing that can not and will I deny is that I love you. And this love, this love, brought me better days, and I saw the light again. I was so worried, and you appeared, and then I recalled a childhood sweetheart, 12 years ago, when I saw you sing. And until then, until you reappear, I did not know it was you, and when you said “Delight, I’m Figaro…” I choked on toast. I am the beast my love, I am moved with little. Love, I’m so simple, nothing too complicated. I’m not a complicated woman, but I’m no one. I’m not an ordinary woman. I used a ridiculous yellow dress on the day you first saw, and the second time I wore black clothes and white gloves. And now I touch your face with my white gloves, as much as now they do not serve me more, but it is with them that I will touch the face, because my love is pure.

And years later, I saw you on the road some mornings, and I always found it beautiful, but I did not know you inside, I never got around and asked: “I know you from somewhere?.” I saw her face and liked him. I’d like to see you lost, sitting waiting for the bus… and lost. One day I saw you with his old girlfriend in the supermarket parking lot, there near the church Aparecida(Pague-Menos market, same street of church), and for a minute I felt a slight envy, and I thought, “cute couple”. And then I went back to reading my book. But I did not realize, I do not imagine that one day you will rise again. And the way you came, it was funny … I saw you on facebook, and I recognized, I’m back in the years that I looked lonely waiting for the bus. And I commented to a friend, “Bia, I remember him waiting for the bus, he is the brother of Leo, remembers?”, And I exclaimed “Heavens, every day this man is more beautiful,” and then she said, “he added … add like a friend! what are you waiting?”. And I just said,”Are you crazy? He did not know me, and I do not know. Because he accept? We have never spoken a word to each other, I’m not crazy to do that!”. Don’t know, i don’t knew little about you, we never talked around, and you never remember my face. And so it was, and I watched their profile photo for several moments, but then I went to sleep. I went to sleep because it would the beach with my family. During one week, I was thinking about life and meaning. And it was there on the edge of the beach, I asked someone good in my life. I said, “God, someone special place in my life, someone who see me inside.” And then I came back from my retreat by sea on a Sunday night, and then you appeared, wanting to be my friend. And now you’re gone. You disappear, no longer responds to that I ask. I asked him how was your exams in college, and you did not answer me, I asked him how was the show of Roger Waters,and you ignored me. You were the first person I told about my promotion at work, I expected it to be happy, but you did not answer. And that hurt me. And do not think this would happen only with yourself. Any person I respect and feel the least affection, if Ignored it, I would be very sad.. I will not let go of what I wrote to you, because nothing in life is in vain. My love is true, however you do not believe in it or is it just iluded man. Love, I’m not playing with those feelings, and in no time I played with her. I’m sorry if you ever had that thought about me, I believe people make mistakes. If you think I’m a giddy, love, I forgive you, and forgive me if I spent that impression. Forgive me if I fell for you, from the moment you read that text about my childhood, a fact that nobody gave importance, everyone thought it was fool, no one paid any attention, and then you appear out of nowhere and you read without difficulty. And then that song has now become a sad thing. I thought it a sad beauty, and that song made me smile …but now…make me cry.

I will not beg, kneel asking who loves me. You know now, I think that more direct here, is not impossible? Baby I love you, and I’ll be here, you know, I love this place. Do you know where to find me, if you’re just confused again … be my friend and let nature and time take care of it. God knows how I take care of my garden every morning I water my flower with tiny drops of water, and it is a beautiful sunflower. He did not sprout, but I know it’s there … unknown and hidden beneath the soft earth. And I can not, I can not beg to be born.

I ask only to stay, pretend you don’t know that I love, then I pretend that I believe it, I can also pretend that you never felt nothing, absolutely nothing, and then we’ll be fine. Be my friend and pretend nothing happened. And in our pride, we will continue our lives, just as friends. I do not know anything, neither do you. Let’s be cynical, one with another,everyone has a friend is not cynical? Everyone has a sarcastic friend, everyone has a friend who denies all the time. And when I told you never loved anyone, know I’ll be being ironic. And now I do not love you anymore, I’m just your little friend now. And as I write this, is not going no tears, I feel no pain, I feel nothing. And you know why? Want to hear more once the damn truth? Why do I love you, and I do not know what else to tell you.Therefore, I Love You, Lover, I’ll say it one last time, the next “I love you” will just be me, in my silence, in my solitude. And if I ever see you in the crowd, know that I still love you, but I do not know what to tell you … I’ll just say “Hello how are you!” Because I’m cynical and sarcastic, even with tears eyes, I’ll ask if it’s okay!

I’m sorry if I’m too scary to you. But believe me, I have also felt fear when I discovered that I loved. But I dont deny my love, but even so, if it makes you feel better, Love, I’m sorry for scaring you. I’m too intense and I scared you as a little boy afraid of the dark. Are you close this place it is now, with its stones in his imaginary mountain, but you can not see, can not you see I’m just a woman who does not deny feelings. Sorry my love, my sincerity to hurt you, sorry because I like to write what I think, sorry if you curse me for simply exist, but not my fault, I do not have the fabric of fate in my hands, I am a woman who barely know how to sew. Forgive me if I just made you suffer, if that happened, because I don’t know, what goes through your lovely and confusing mind. Forgive me if you think I brought you illusions. I can’t control your feelings, I can’t demand anything from you, your friendship, not a pathetic “good morning”. But if you want, if you want to be a my friend, I can pretend that nothing happened. Honey, be just my friend, but don’t leave me this way. Talk to me as if nothing had happened. Never happened…Nothing happened between us, and that’s half true … is not it? I’m lying now?

I’ll keep writing what I feel, what I see, what I want. But the mind is so powerful that you just need to imagine that when you read “I love you” on something I just imagine that I like just another person. You can? You can lie to yourself? Can you deny your own feelings?When you say you do not love me and that everything is an illusion, I see your whole body cheating. When you say I’ve never felt anything, your eyes will look down, the palm of your hand is up, you move your hands constantly, you’re in a cold sweat, and has too many line expressions on his face. I doubt that one day, never felt anything for me, not a little love, nothing … I doubt I did not move with you … did not I never once shook? You never thought of me No time? I wish I could look in your eyes and ask. But I can not do that. I can not and will not do. I’m just outsider, a stranger, and I don’t want to scare you. Are you an “anti-social” being who wants to distance, so I’ll respect that. Love involves respect for others. I could hate you,offend you, but I can not. Who loves consent … I even joked the first day of April, saying that I hate you, but that was a lie! And when I tell you “I love you”, “I don’t desire you” we’ll be two liars. We will be two beautiful children, lying to one another that the pockets are empty, but in fact, are full of candy.

And before I leave, stay in this place I love, before you go away with their excuses, their beliefs and feelings, you know: I love you. And if one day you want to go back, if you ever wanted something, you know where to find me. And if you ever come to me, it’s just a “Ana, how are you?” I’ll be happy. Love, I am content with little, if they are sincere.

And I end this text here, so in another language. It can have many errors here, but know that it was difficult for me. I like challenges, and I’m a box of surprises, love, I learn things very easy, especially if they challenge me. I am proud, proud a fool to express themselves without limits. I feel like I do, I love, I love writing, even if it causes me pain, as I feel now. I never, never opened myself so much in my life. I do not regret, I do not regret loving you, even you giving up everything. I have no fear of looking like a fool, Love, I am so aware of it. If you do not accept me this way if I scare you, leave you confused, love … what can I do about it? You want me to leave? You really want to try to get away? I will respect your silence, I respect your distance and your space, but I will not stop loving you and stop being myself because this.  Although crying now, this moment that I write, I am a strong woman, a strong woman who is showing to you all that I feel, I do not care what you will find that, if going to like it or not, but I that when I read this, you are aware of what I feel. Why not, I’ll never be able to say, to anyone, you never knew that. And what do you want to know about me, if you still have any doubt about the person I am, ask me and I will answer you, whatever you want. They say that only time heals our hurts, I do not want that time will take my love away, but if this is necessary, there is nothing I can do. If I could turn back the time, I would have been more sensible … or not, I believe it would fall again and again writing it again. And if I’m wrong about all this, if I really is a mad woman, God gives me a little more wisely next time. But I say again … I absolutely do not regret anything I did, or wrote, I am fully aware of what happened to me, than I feel. I do not have remorse for being the more foolish person that ever appeared in your life. I believe in the beauty of the belief of fools. I believe that the world is better with their existence. Better be a fool than ever believing anything…

Maybe someday, I say “Good Night” again, when you are tired and sleepy …

However far away…
I will always love you
However long I stay
I will always love you
Whatever words I say
I will always love you
I will always love you…

Oração

Pessoas gritando, pessoas correndo,

Crianças sorrindo, brincando em círculos,

Há a pressa, há a o ódio, há sorrisos.

Dia após dias, as pessoas seguem seus caminhos,

Num lugar onde pode se chamar de seu, o lugar que se ama,

Ou aquele único que restou, a última opção.

Quando chegar, e deitar seu corpo cansado,

Um novo dia virá coberto pela incerteza.

Por mais planos que sejam traçados,

Há sempre os erros de percurso,

Aquelas esquinas que entramos errado,

Aqueles caminhos na contramão de cada dia,

Fugindo da rotina, fugindo da mesmice.

Um linha torta, um passo em vão,

Um segundo, um gesto, um passo para trás,

E assim mudamos todo o eixo de nossas vidas.

E na contramão do destino estamos então,

Cada passo errôneo, caímos em falso,

Esbarrando no acaso de todos os dias,

Com um sorriso tornamos a graça, o nosso limite,

E assim em passos desnorteados em uma dança,

Em meus passos sem sincronia, estamos na deriva.

Nossos barcos balançam em mar revolto,

Quando chegamos na orla da praia,

Há uma brisa e as ondas estão calmas,

Por enquanto estou na tempestade em alto mar,

E eu achava que lá longe existia um Farol,

Mas ele não está lá, eu sei disso,

Está ventando e estou seguindo meu rumo,

Assim sem destino, sem esperança, apenas seguindo,

Estou me afogando com olhos bem abertos,

Erguendo minhas mãos aos Céus,

Estou pedindo uma vida mais sensata e bonita,

Onde posso ser eu mesma, sem medo, sem medo.

Pessoas choram, correm, falam ao celular,

Enquanto isso, estou distante, estou distante,

Ergui minhas mãos aos céus, buscando sentido.

Um momento após o outro,

Um dia após o outro, Senhor, me dê me um pouco…

Só um pouco de paciência e juízo,

Tire de mim todas as minhas ilusões,

Não existe Farol, estou sozinha, agora

Esse sentimento é só meu, só pertence a mim.

Não me faça acreditar naquilo que não existe,

Não me deixe cair em tentação naquilo que é distante,

Distante, recluso, incógnito,

Por que Senhor?Porque eu gosto daquilo que é distante e complicado?

Senhor, porque eu gosto tanto de sofrer?Me dê apenas amores de finais de semana…

Me permita Amar uma pessoa como um Objeto,

Amar sem esperar absolutamente nada em troca,

Me deixe enxergar tudo como algo banal, sem sentido.

Senhor, você sabe que eu nunca me senti assim,

Senhor, porque fez isso comigo?

Senhor…na orla da praia eu te pedi…

“Senhor, coloque alguém especial no meu caminho”,

E agora você ri, há uma cascata de deboche nos meus ombros…

Senhor, em cada ar que eu respiro,

Me traga a serenidade…nesse tempo de desespero e incerteza.

Que a Ignorância não me acometa, não me deixe cega,

Deixe meus olhos enxergarem apenas a realidade.

Só acredito vendo!Senhor…me deixe ver…me dê o ceticismo de São Tomé.

Senõr, que cada sentimento seja Forte, seja verdadeiro,

Mas que seja exato, e não incerto, que seja real e não apenas dor.

Eu agradeço por cada passo em falso, que segui nesta vida

Eu não amaldiçoo mais meus erros, minhas linhas tortas.

Eu sou intensa como uma orquestra, tenho a saudade de uma criança,

Toda criança tem um amigo imaginário, eu tenho um agora,

Será que ele é real?Só acredito vendo Senõr…

Ele me mostra suas chagas, mas sou pior que São Tomé…

Estou livre agora, estou em paz, Senõr, me dê um pouco mais,

De sensatez…e ceticismo…eu acredito agora…não…eu não acredito.

Senõr, afaste as mãos de meu rosto e enxugue minhas lágrimas…

Senhor, Senhor meu Pai, quantas vezes eu já gritei?

Por mais silenciosa que seja a minha oração,

Você me ouviu, quando eu lhe pedi, aos pés da orla,

Senhor, coloque alguém especial na minha vida,

E assim eu que não acreditava em nada, passei a acreditar,

Mas minha dor é tanta, que estou São Tomé de novo.

Senhor, quero meu ceticismo de volta,

Me faça acreditar, que ninguém pode me Amar,

E que Ilusões não nos trazem nada, apenas a dor.

Senhor, me traga o bálsamo do tempo,

Ele é uma Eternidade, ele cura as feridas,

E é nesse tempo, na paz e na solidão dos dias,

Que eu estou esperando teu apóstolo,

Na calma, no silêncio e na incerteza dolorosa de meus dias.

Me traga o seu bálsamo, para limpar as feridas,

Do meu Amor crucificado na cruz em forma de x.

Ele está machucado, eu posso sentir sua dor,

Só vou acreditar, quando ele me mostrar suas chagas

Enquanto não chega, e pode ser, pode ser Senhor,

Que esse dia nunca chegue, mas eu estarei aqui,

Na solidão, no silêncio, e na minha reclusão.

Talvez…talvez…um dia…eu acredite.

Traga seu apóstolo aqui e me aponte as chagas,

E então eu acreditarei…eu vou acreditar…

Eu somente acreditarei naquilo que meus olhos podem ver…

Mas meus olhos não vêem, mas meu coração sente…

E este sentimento, que eu quero não acreditar,

Agora, neste momento, enquanto eu escrevo,

Gostaria de não sentir nada, nada…

Absolutamente nada, nem as lágrimas, nem dor, nada…

Há um maldito cheiro de caramelo no ar,

Mas estou em silêncio…em silêncio

No escuro, na reclusão, sentindo cheiro

Fios de caramelo em minhas mãos,

Senhor, me tire daqui, dê-me paz,

E um pouco de paciência,

Está tão frio Senhor…eu quero os fios de caramelo,

Mas eu só acredito vendo…e sentindo…

Estou enxergando agora, Pai…Pai…eu enxergo com meu coração…

Meus olhos sangram e estão em constante arritmia,

Seu apóstolo, o irmão de Pedro não está encostado em meu peito,

Porque se Ele estivesse, ele sentiria meus olhos baterem bem alto…

E Mark Twain dizia: “Não abandones as tuas ilusões. Sem elas podes continuar a existir, mas deixas de viver…”