29 cores, 29 milhas, 29 desejos.

Andei por aí sem olhar para atravessar a rua. Senti pressa ao atravessar fora da faixa. Onde os carros viravam eu não tinha visão nenhuma, mas eu tinha muita pressa para chegar ao outro lado, e eu sei que ninguém me daria a mão para atravessar a avenida. Não sou mais uma garotinha que dá as mãos para um adulto, mas sou uma criança que anda por aí chutando o que restou das folhas do outono passado. De vez em quando sinto medo do escuro, e se eu pudesse, como nos meus sonhos de criança, pegar um pincel e jogar 29 cores nessa minha escuridão, talvez eu veria o amanhecer com mais otimismo, pois na madrugada passada eu brinquei de pintar um quadro com as cores do meu medo. Peguei cada um deles e joguei numa vela tela em branco que encontrei no porão de minhas lembranças. Um rosto tão antigo, uma fisionomia de uma velha lembrança parecendo numa porta em meu momento de desassossego. Enquanto tomava meus goles de razão, a fisionomia de uma velha lembrança que deixei pra trás, com a convicção de ter superado, um velho amor do passado a entrar pela porta de meu mundinho até então quietinho nos meus dias sem graça tentando ser racional e não me entregar à tolices.

E eu tentei negar toda a mistura de minhas cores, jogando para o alto as milhas que eu caminhei todo esse tempo, procurando por cores desatentas ao meu olhar tão cansado, mas sempre por onde eu passei, eu pisei em tons escuros, onde as cores não se misturam. Eu me recordo das aulas de artes e a teoria da mistura das cores. E eu pintava quadros bonitos, eu desenhava bem, eu poderia desenhar todo o perfil do teu rosto imberbe, mas estavas tão bonito, mesmo assim, estava bonito, e eu lá, toda descolorida, tingida de uma timidez e uma vontade de sair correndo. A cada gole de vinho e tentava firmar minha felicidade repentina naquele misto de surpresa, diante de um dia tão incomum, diante de todas as surpresas que estão batendo na minha porta, me chamando para entrar, mas diante de um lapso de razão, estou sendo educada e apenas espreitando na soleira da porta. De vez em quando eu olho de canto de olhos, mas tento manter minha frieza, finjo não estar nem aí para o que aconteceu ou deixou de acontecer. Ando numa fase extremamente egoísta, evito toda e qualquer demonstração de amor, pulo a parte de cenas românticas de livros, partindo para livros de história, sociologia, filosofia. Sem as baboseiras de amor. Amor é para os fracos, e eu não quero viver de ilusões e de expectativas. A vida poderia ser um poesia, mas está mais para uma prosa sem pé nem cabeça. Eu queria, naquela fatídica quinta-feira não pensar em nenhuma espécie de poesia. Queria apenas sentar, encher a cara e ir pra casa dormir, semi-embriagada, pois afinal, naquele dia, eu teria de ir embora de ônibus, e estar sóbria o suficiente para saber onde era o ponto que eu tinha de descer. Não queria lembrança nenhuma, mas eu nunca esqueço uma fisionomia. Como eu poderia simplesmente ignorar, e ficar apenas observando, tal como um gato em cima do muro, poderia passar por despercebida, eu, minha taça de vinho e meu prato de frios, mas depois de tal surpresa, tal como uma imagem num telescópio em céu nublado, eu não pude conter meu misto de satisfação e surpresa. Talvez se eu tivesse ignorado, eu poderia ter tido sonhos mais leves. Se eu fosse uma pessoa religiosa, estaria me confessando ao padre por ter sonhos impúdicos.  Ainda se fosse somente sonhos impúdicos regados a 100% de agave (ahhh, a tequila…) e a maldita ressaca de sexta-feira, impermeada de uma noite mal dormida, eu ainda estaria bem, destinada a apenas alguns dias no inferno, tal como as pinturas de Gustave Doré para a “Divina Comédia”. Eu poderia estar bem até, acho as partes do paraíso um pé no saco. Talvez eu goste de fazer da minha própria vida um inferno/purgatório dantesco, e quando eu achei que encontrei minha paz, dentro do meu inferno pessoal, a Beleza chegou subitamente num dia de total despreparo, um dia enlouquecido, em que eu peguei a primeira roupa do armário, passei o primeiro perfume que vi pela frente, um dia sem pretensões, sem esperas, apenas mais um dia comum em que eu não estava nem aí pra merda alguma. Um dia em que eu me senti um retrato do diabo de feia, com minha estima lá embaixo, literalmente, me sentia um pobre diabo. Mas o pobre diabo foi embora pra casa com um sorriso no rosto,  e uma velha fisionomia na memória. Uma fisionomia incrivelmente mais bonita pessoalmente.  Imberbe, mas bonita.

Ao final da noite, o garçom que tinha pedido para entregar as duas doses de Tequila 1800 e o bilhete escrito com minha letra horrorosa e tremida veio conversar comigo.  Me disse:  “Eu achei que ele iria devolver as doses, mas poxa, “mó” bonita a atitude dele! Tirei meu chapéu”. Eu respondi dizendo que era algo que eu não esperava, e que me deixou feliz e quase embriagada, seja poeticamente e literalmente. A beleza me deixa embriagada, por isso fujo dela.  “Você gosta dele não é? Deu pra perceber enquanto conversava…”, disse o garçom enquanto tirava minha taça de água. Eu apenas dei uma risada, irônica, aquelas com o olhar pra baixo e um sorriso, e terminei de matar meu segundo café expresso para terminar a noite. Eu poderia ter entregue o bilhete, as doses, e simplesmente ter ido embora logo em seguida. Mas enfim, pedi uma terceira taça de vinho seco, peguei mais queijos e pensei em tolices, tolices fora do meu escopo de razão planejado para minha nova vida. Uma, duas, três, quatro taças. Para finalizar, a ultima taça foi de um vinho doce, tão doce e bem-vinda quanto aquela fisionomia que eu nunca esqueço. Fisionomia mais bonita pessoalmente, do que eu imaginava. Já não é mais aquele garotinho que eu me lembro aos treze anos…

————————————————-

Eu poderia ter escrito sobre a minha surpresa dessa inesquecível quinta-feira, dia 29 de agosto na madrugada do dia 30, mas isso implicava em escrever com a mistura quase erótica de vinho e tequila. Sendo assim, à princípio, eu pensei, por motivos “éticos?”,”morais?” não iria escrever porra nenhuma sobre o que aconteceu, e fingiria que o tal encontro mais “Eu não acredito o que meus olhinhos de ressaca estão vendo entrar pela porra daquela porta!”(foi mais ou menos isso o que eu pensei, acrescentado de “Só podem estar zuando com a minha cara, era tudo o que eu precisava!”). Mas eu sou sim, um pobre diabo, e sendo pobre diabo, não perco minhas manias malditas. Mas enfim, escrevi isso sóbria, mas eu estou ocultando 60% das coisas que eu pensei. E não tocarei mais no assunto. Preciso de uns dias para digerir meus sentimentos e escondê-los novamente dentro da minha caixa de “Causas perdidas”. Preciso de mais uns seis meses para fingir novamente que eu não me importo mais.

“Por quem os lençóis dobram” – Da série, “Eu não sei fazer poesia, mas eu tento!”

Depois de andar por um caminho cheio de folhas coloridas,
Já não é mais outono, é apenas um inverno ambíguo, cheio de sol e calor,
E os olhos azuis, grandes e tão perdidos, a fala mansa e o andar calmo,
Um homem incomum tão próximo, a alguns poucos centímetros,
E o sorriso na indelicadeza desconcertante de uma boca carnuda…desnuda,
Tão doce, bruta, elegante, curiosidade, os olhos, os olhos nus,
Fitando a boca voraz, era o desejo e a malícia no pensamento,
E a pele desnuda, a boca e a língua divina, e o cheiro natural,
A linha do pescoço que sobe até o rosto a emociona,
Ela estava então na cova do leão…

A vida, as pessoas, o caos, caminhando todos juntos de mãos dadas,
Os ventos de fim da noite os carregam, assim como as folhas,
Caindo calmamente, quase uma heresia,
Uma heresia calma e ao mesmo tempo bruta,

A folha toca o chão numa leveza simples, as mãos lhe tocam a pele,
Numa beleza ímpar, um gemido alto de prazer enlouquecedor,
São jovens demais para deixar a natureza emudecer noite afora,
Às vezes um homem deixa seus medos e ansiedade para trás,
Não há nada a temer, olhos nos olhos há sempre uma razão, ainda que febril,
E os olhos nus, encantados, e os corpos nus, se contorcendo,
Numa dança erótica, a indecência e o desejo tem cheiro de jasmim.

Há um sorriso tímido nos lábios, um enrubescer no rosto, um jogo de poder e sedução,
E ela sente os pelos do rosto dele junto ao pescoço, corpo estremecido e sem rumo,
E enquanto ele tira as suas roupas, ela se despe da vergonha,
E a noite segue tímida nos gemidos, enquanto as mãos firmes escorregam,
Como num torpor, num deslize, o suor sagrado se mistura mãos fortes e brutas,
No corpo tão frágil e delicado de mulher, as garras do leão lhe marcam a pele,
E as marcas na pele dela, um sorriso sádico no espelho pela manhã,
Ela fecha os olhos e se entrega, e então ela acredita, que ali naquele erotismo,
Naquela cama, com aquele homem, ela encontrou sua paz de espírito.

E o gosto sincero do medo, tão natural, ansioso, e latejante,
Num grito noturno sufocado pelo silêncio, uma mulher aflita,
Ao lembrar-se da cova do leão, o tremor, o desejo e o paladar visual,
Na madrugada afora o corpo clama por um pouco mais de amor,
Seja ele sensato ou insensato infiel ou fiel, perigoso e delicado,
A luta entre amor e razão é fado pesado e dói o peito,
O peso de uma incerteza silenciosa carregando um coração tão maltratado,
O rosto queima com a lembrança do beijo molhado, quente e profundo.

E a lembrança de um gosto amargo lhe traz uma saudade,
E o peso de um corpo sobre o seu nunca foi tão intenso e excitante,
Tão profundo, úmido, na meia luz, um gemido abafado e solitário,
É na cova do leão, a saudade, a lascívia, e o cheiro do jasmim,
Ela o amou, fez do seu desejo sua morada, bebeu do seu cálice até a última gota,
E ele fez do corpo dela seu altar, com uma fúria docemente obscena,
Um altar do desejo na cova do leão, quente, úmido e delicado.

Ficou uma bosta, mas foda-se essa merda!!hahahahahahahahahaha
Ficou uma bosta, mas foda-se essa merda!!hahahahahahahahahaha