Quatro minicontos antes de dormir.

1-     Lola, a porca de Clarice.

Clarice tinha uma porca de estimação. A porca se chamava Lola, e gostava de dormir embaixo do tanque. Naquele sítio florido herdado de uma sucessão de gerações da família, ela corria em volta do casarão de mais de duzentos anos, feliz, com seu sorriso banguela na boca. Lola dormia estirada no gramado. Lola era quase um cachorro, só faltava latir. Tinha em seu pescoço um lindo lenço vermelho, tomava banho e só comia do bom e do melhor. Era paparicada por tudo e todos. Todas as visitas do sítio amavam aquela porquinha. Um dia, Clarice, no florescer de seus 16 anos, conheceu um rapaz, era seu primeiro contato com as maravilhas do sexo, e existia ali um pouquinho de amor, mas era, a princípio, apenas um tesão louco incontido. Numa manhã de sexta-feira seus pais viajaram, e voltariam apenas no domingo ao entardecer. Clarice queria ser popular, reconhecida, queria que todos a olhassem como uma garota descolada. Ela cansou de ser a garota caipira, já não era mais virgem, perdeu a virgindade no banheiro de uma festa regada à refrigerante e coxinha. Era uma festa da escola, proibido a ingestão de álcool por menores de 18 anos, mas ela bebia seus goles de vício agachada aos pés do seu namoradinho juvenil. Bebeu um copo de guaraná e comeu um brigadeiro. Queria tirar o gosto do licor de seu garotinho da boca. Estava com raiva, ele lhe disse que seus dentes raspavam muito e que ela precisava praticar mais. Mas ele sempre gozava, ”Filho da puta”, pensou ela.

Tudo pronto, Clarice conseguiu arrecadar dinheiro para as biritas e alguma comida. A festa rolando, gente se pegando, gente se drogando. Ela já havia bebido tequila, fumado um baseado e agora se preparava para o chá de cogumelos. O sexo nunca foi tão primitivo, as cores eram muito mais vivas, e o queijo da pizza onde as moscas deitavam suas emoções nunca foi tão delicioso.

A festa rolou, até tarde da noite do sábado. Sua fome era intensa. Perdeu as contas com quantos se deitou, até que o cansaço não a permitia mais viver a luxúria adolescente. Dormiu nua no gramado, e no dia seguinte tinha porco no rolete. Não era uma bad-trip, era Lola, sua amada porca rolando num espeto improvisado.

2 – Uma nuca, um pescoço, pele branca…Barba por fazer.

Era tarde da noite. Estava voltando do trabalho. Estava precisando de umas horas-extras para aquietar a mente. Aquietar no sentido de lhe tirar as coisas que a atormentavam. Ficou esperando o ônibus do outro lado da passarela. Colocou uma música nos ouvidos, e pensava o quanto o cansaço a fez querer sua quente e solitária cama. Entrou no ônibus, cumprimentou Chris, o motorista, e ele perguntou, “mais uma vez trabalhando até tarde! Assim vai ficar rica!”. Ela sorriu um riso cansado, os olhos pesados, querendo fechar. Sentou-se no banco nos fundos do ônibus. Hoje, ela não pensaria no seu amado, seria uma noite apenas para seu cansaço. Ela sabe que iria sonhar com ele de qualquer forma, e que de noite as ruas são escuras demais para ver as flores amarelas que nascem no asfalto. O girassol do jardim do bairro de subúrbio caiu e morreu, mas tinham as pequenas e graciosas florzinhas amarelas ou alaranjadas.

Ficou olhando as notícias no celular, o ônibus tardaria a sair, e nesse dia nem ao menos um livro tinha. Não conseguia dormir no ônibus, lhe incomoda dormir em coletivos, dá-lhe a impressão que vai se perder e que ela será esquecida, pois estava escondida, lá atrás. Entrou um rapaz no ônibus, ele sentou-se no banco à frente dela. Ela nem viu nada, estava por hora, delirante, pensando no projeto para a empresa. Ergueu os olhos, e se deparou com uma nuca, os fios castanhos claros do cabelo, que se encerravam na nuca, um pescoço branco, barba por fazer. Ela viu apenas uma nuca, uma linha tênue de pescoço, e um pedaço de uma barba acastanhada, e lembrou-se daquele que ela deixou duas marcas roxas num acesso de excitação e devoção. Não havia nada que a fizesse deixar seu dia branco de lembranças doces e selvagens. Os olhos daquele rapaz nem eram azuis, mas aquele pescoço foi o estopim para ela se perder na beleza dos olhos nus e expressivos daquele que lhe tirou o sono.

3 – Plástico

Letícia tinha regador de plástico, mas ela não tinha flores de verdade para regar, pois todas as flores que ela tinha sua vontade de cuidar delas era tão falsa quanto a sua vontade de viver.

Julio tinha uma boneca inflável de plástico, que segundo ele, gemia, adorava fazer sexo oral e transar com ele. Mas ele não tinha uma mulher de verdade para transar.

Cláudia tem uma árvore de natal, enfeitada e colorida. Tem presentes de plástico para dar à família. Todo natal tem risos, mas por dentro, ela é sempre de um riso de poliestireno e emoções plastificadas de PVC.

Marlene tem um homem que lhe diz todos os dias que a ama. Mas quem a satisfaz é seu brinquedinho de plástico.

Marcos queria ser amado, mas queria transar com uma mulher que não tivesse vínculo afetivo nenhum com ele. Poderia visitá-la e transar quando quiser, sem cobranças, uma mulher sem dor de cabeça e dias ruins. Pagou por Luciana, com seu dinheiro de plástico, no crédito e fatura só para daqui 40 dias.

4 – Esquina

Nas ruas amarelas do bairro de subúrbio, uma prostituta espera pelos clientes em seus carros esporte, suas desculpas de que trabalharam até tarde, seus desabafos sobre esposa frígida que finge orgasmo e acha que os engana. Ela sente frio em sua minúscula roupa, mas um conhaque com limão no bar da esquina a faz ignorar o frio insano da madrugada. Na última hora esteve com um cliente, ele queria apenas uma massagem, e ele gostava apenas de olhar. Ele pedia a ela que transasse com si mesmo, ele sempre pedia isso para a esposa, mas ela tinha vergonha. Jogou cem reais na cama e saiu de lá feliz. Ela não teve trabalho nenhum, bastava apenas pensar no seu velho homem, que um dia poderia voltar naquela esquina, em qualquer hora, talvez na próxima primavera.

 

 

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s