Guaraná com Rivotril em gotas

Ilustração de Diego Sanchez, do Quadrinhos Insones.
Ilustração de Diego Sanchez, do Quadrinhos Insones.

 

Essa ressaca que não passa, milhões de vozes rodopiando na minha mente,
Eu sinto teu cheiro aproximando devagar, sua solidão sussurrando nos meus ouvidos,
E como num barulho ensurdecedor eu me deitei e rolei no chão, era o meu êxtase,
Chegando, vindo devagar, talvez somente uma solidão, não uma solidão vazia,
Uma solidão cheia de rostos, e todos eles estão pintados para a guerra, em cores impressionistas,
São as sombras contando dezenas de histórias, verídicas e inverídicas, meu sonho insone,
Caminhas sozinho entre vales e bosques, perseguido então por aquilo que não lhe adormece,
E o teu cheiro de caramelo, eu poderia me enrolar em você, como os fios de bala,
Eu me lembro, quando criança, minha mãe fazia balas de aniversário, e aquele cheiro…Doce,
Você se aproxima e eu continuo me envolvendo, desconheço tua fúria, mas ela me atinge,
Eu bebo-lhe em taças de licor, e todas as suas cores eu guardo dentro de uma caixa,
E elas sorriam, e sadicamente suas cores me envolvem, como se fossem música e eu suspiro,
Meu sangue está fervendo, e entrando numa ebulição de paixão sensata e enebriante,
Todos os meus amores em vida, nenhum atingiu a gama de todas as suas cores, tu me envolves,
Numa dança ritmada, sozinha sob o luar, eu lhe canto em acordes, eu amo teu rosto, teus olhos,
Eu amo sua solidão, sua calma, assim como eu amo os dias chuvosos, assim como eu amo a alma da noite,
Sadicamente, a noite me envolve e são meus gemidos que ouvirás esta noite, sussurrando baixinho,
Te quero, te quero…Naquelas tardes vazias de tédio, nos dias de caos, nas noites chuvosas,
Devolva-me teu olhar de fúria, teu sorriso sarcástico, me dê toda sua força bruta, envolva-me
Traduz-me numa canção de acordes complexos, talvez eu cante uma melodia, talvez eu apenas desvaneça,
Eu posso dançar, languidamente, numa dança cigana, olhar em teus olhos e enfeitiçar-lhe,
Jogar minhas palavras ao vento e esperar que corra atrás delas com sua rede predadora,
Talvez eu lhe dê minhas palavras para fazer suas rimas, e então eu posso ler seus pecados, seus desejos,
E eu devolverei-lhe um sorriso sádico, e quem sabe algumas peças de roupa jogadas no chão,
Eu posso dar-lhe a mão, vou te convidar a dançar um tango sob o luar, um tango solitário,
A solidão meu Amor, pode ser linda, nós dois em silêncio, converse comigo, apenas com os olhos,
Eu direi que lhe amo, apenas olhando, e meus movimentos, meus passos serão todos pra ti,
Adormeço, sobre seu peito, que sobe e desce numa respiração tranquila, eu sinto todo o seu Amor,
Mas eu sinto isso apenas nos meus sonhos depois de copos de guaraná com rivotril em gotas,
E eu sonhei, que éramos crianças, e brincávamos em tardes ensolaradas, de mãos enlaçadas,
E subíamos no telhado, e contemplávamos o entardecer e então tu me chamaste, pelo meu nome,
E com seu sorriso de criança disse que me amava, e eu deitei-me ao teu lado e nós dois,
Na inocência de nossa infância, contemplamos o céu, contamos as estrelas e adormecemos,
E eu acordei, com lágrimas nos olhos, pois eu lembro de ti quando lhe vi na minha doce adolescência,
E não passávamos de duas crianças, tu nunca me vistes e eu nem sabia quem era aquele doce menino de voz bonita,
Eu era apenas uma garotinha magricela em um vestido amarelo-ovo, e eu me sentia horrível…até eu lhe ver…
E essa é a mais doce e bonita que eu tenho de você, desde quando eu lhe vi, atravessando a rua apressado,
Era como uma miragem, como sonhar acordada e por uns instantes todo o tempo parou, eu parei de contar os segundos,
E um dia me contaste que me viu, descendo do ônibus, apressada, com o olhar distante,
E naquele instante ao atravessar a rua, todo o meu corpo estremeceu, minha nuca pegava fogo,
E eu não sabia o porquê, mas eu estava então sendo observada?Eras tu que me observava ao longe?
Terias tu, olhos de predador?Você me viu e deu um sorriso tímido de canto de boca, me achastes bonita?
Eu não estava nos meus melhores dias, queria que tivesse me visto de vestido e salto alto…
Queria que naquele momento sentisse desejo, e que sonhasse com minha imagem durante a noite,
Eu queria lhe tirar o sono, deixar-te excitado a ponto de não conseguir mais dormir,
Rolar na cama, de olhos abertos, as hélices de teu ventilador girando, seu mundo girando,
Queria aparecer em teus sonhos, e virar teu mundo de cabeça pra baixo, poderíamos fazer Amor,
Poderíamos fazer sexo, se preferir, poderia te virar do avesso, beijar teu corpo salgado, ou seria doce?
Quais são seus sabores, quais são suas cores, mostre-me, suas cores, tão bonitas, surreais, beije-me,
Em tons de vermelho, roxo e azul, toque-me como se fosse a primeira e última mulher de tua vida,
Vamos rolar em lençóis, deslizar, nos enebriar com vinho, vamos rir, és meu desejo amar-lhe,
Como se fosse a última coisa que eu pudesse fazer em vida, como se os dias de amanhã não existissem,
Se quiseres, dê-me apenas sua mão, e me olhe, com teus olhos de mistério pode me calar, eu perco o fôlego,
Eu desvaneço, devagar, se me olhaste com o olhar de desejo de um homem, me devore com os olhos,
Até que eu morra, até que grite de prazer, até que eu lhe dê um beije os ombros, até que você beije meus olhos,
Até que eu sussurre “Eu te amo”, em teus ouvidos, até que eu adormeça em seu peito, e então sonharemos,
Com um mundo mais bonito, pintado com cores almodovarianas, surreais como quadros de Salvador Dalí,
Meu Amor impressionista, deixo em você as marcas de meus beijos, queria lhe provar com uma colher de chá,
Beber teu amor aos poucos, como meu chá sem açúcar de todas as noites, mas seu Amor, é como Rivotril em gotas,
Eu não sei se ele existe, antes de dormir, me deixa com amnésia, eu adormeço, e é com você que eu sonho,
Seu amor onírico me anestesia a saudade, meu desejo…Rivotril em gotas, torna seu amor mais perfeito,
Rivotril em gotas, me faz acreditar que você me ama, e nesta doce ilusão eu lhe beijo com paixão,
Desenho teu rosto, acaricio tua face, e nada vai me dizer que não é real, e este poema meu Amor,
É uma forma de lhe dizer que te amo, quem sabe um dia, eu durma em seus braços, sem o fantasma da insônia,
Quem sabe um dia, o guaraná com cinco gotas de rivotril seja o gosto de seu beijo nos meus lábios.

 

 

 

 

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s