Drunk Poem

Resolvi ir no cinema hoje,

Há muito tempo sabe?Muito tempo não faço isso.

Caminhar sozinha por ruas ermas, numa esquina sozinha,

ESPERAR UM ÔNIBUS, eu não me lembro amor…eu não me lembro

Me guio pela intuição no teclado…apenas isso, intuição.

E eu não sei meu amor, que música bonita numa língua estranha,

Eu não sei…eu não sei…querido onde você está agora?Rostos todos…

Iguais…iguais…beije-me agora porquê…sem juízo e equilíbrio…

Perdi a linha de ônibus, então pego um táxi

Paro aqui na rua de casa, dou 50 mangos pro taxista,

Amor, eu perco o ônibus, e então?

1 garrafa depois eu perco o rumo…1 garrafa depois todos tem a mesma face…

Um dia depois…um dia depois meu amor, algo me diz, me diga então,

Dormirei suave hoje a noite?

Hoje a noite meu amor, enquanto estava no taxi,

As luzes da estrada estavam belas…belas…rostos todos iguais…todos iguais

Eu chego em casa, amor estou tremendo..e eu nãopenso em nada, apenas escrevo.

amor eu minto, tu sabes…eu estou embriagada agora…eu penso agora

No impúblicável, impublicável…e eu te vejo…seu sorriso…impublicável…

Querido, eu não sei…eu não sei…eu fui no cinema hoje,

E o Hulk salvou o filme…salvou o filme,

Amor, estou perdida, eu perdi o ônibus, e bebi no Giovannetti,

Uma garrafa meu amor, uma garrafa, se pudesses me ver,

Amor me veja, meus olhos de ressaca…meus olhos grandes de ressaca

Os rostos são todos iguais…todos iguais…amor eu não sei, eu sinto frio!

AS luzes brilhavam e o meu  corpo agora treme…e eu escrevo…porque decorei…

A ordem exata do teclado…Amor, onde estou agora?Eu quero você agora?

Amor onde você está?Olhe em meus olhos agora…olhos de ressaca…

Querido eu me perdi, eu perdi a linha de ônibus, é tarde agora…resolvi me embriagar…

O que eu tenho a perder agora?São 01h00 da manhã agora…amor…estou tremendo

Meu corpo agora é um pêndulo…estou balançando, coisas impublicáveis…eu penso agora.

Querido estou sozinha…enebriada…num vinho chileno…amor fique comigo…impublicável.

E eu balanço, e hoje meu bem…dormirei suave…e os rostos, são todos iguais…

Amor, eu quero um banho frio…mas meu corpo apenas balança…eu posso escorregar…mas eu me deito

Estou deitada querido…mal consigo tirar minhas roupas…estou rindo agora…sozinha…

Uma garrafa depois, e eu mal lembro a senha do banco…mas eu me lembro de teu rosto,

E nesta noite fria…a única coisa que me esquenta…é um vinho e a utopia…teu rosto…utopia,

E minha professora de história gostava dessa palavra…utopia…utopia…utopia…

E eu queria meu bem…agora neste momento…coisas impublicáveis…

Eu dei uma nota de 50,00 pro taxista, mas eu nem sei…amor eu não sei

Se ele me devolveu o troco, se está certo ou não…mas amor, eu me perdi…

Eu perdi o ônibus, eu perdi o ponto, eu perdi você…eu bebi um vinho

E os rostos permanecem iguais, e euestou agora, tremendo e rindo…

Amor…me diga…eu dormirei suave…suave…

E eu queria…andar por ruas ermas…mas tu…me disse…evite…

Estou embriagada…lembrando de ti…teu sermão…dormirei suave

Amor…dormirei suave esta noite…olhe então esses meus olhos de ressaca,

Beije meus cílios essa noite…me jogue numa água fria…me dê beijos de café,

Cuide de mim…e amanhã…amanhã meu amor…beije meus olhos de ressaca…

Anúncios

Um comentário sobre “Drunk Poem

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s