Nihil Morari

Um homem passa com sua bicicleta,

O taxista que parece o Freddie Mercury também,

Há um homem grisalho barrigudo de jeito engraçado,

Há a mulher da lanchonete espremendo laranjas.

Os carros passam lá fora nesta manhã,

Estranha, estranha magnificência dos dias.

Pegue tudo aquilo que acredita e dê risada disso,

Pegue toda a sua tristeza e coloque a venda,

Sempre há alguém que compra o desespero.

Certamente, certamente, meta suas crenças em seus bolsos,

Se eles estiverem furados de tanta dor, suas crenças cairão,

Junte os cacos do seu vitral quebrado, e passe a acreditar

Novamente, novamente…suas crenças não se perderão.

Os meus olhos estão queimando no sopro e ele me diz:

[São apenas 93 milhões de milhas para se percorrer]

Estou quebrando umas torradas com os punhos,

Enquanto o chá esfria…eu conto as migalhas em cima da mesa.

E neste mundo, o que é novo, é incomum.

Estranhos queimam no calor das manhãs,

Abanando suas passagens de ônibus contra o rosto.

Fumaças de cigarros e risos aleatórios,

Eu vejo um homem de camisa listrada passar,

Esta na hora de celebrarmos, está na hora…

Faltam 10 minutos, faltam 10 minutos,

E tudo o que eu vejo é bonito,

Pois meus olhos sabem enxergar a beleza do dia.

Pegue tudo aquilo que acredita,

Coloque uma pitada de sal grosso em volta,

Faça um círculo ao seu redor…não é assim?

Não deixe ninguém entrar em seu mundo.

São suas coisas, aquilo que você ama e acredita.

E se te disserem que tudo é uma piada,

[“Fuck the silly *throw you out  joke* “]

Não importa o que as pessoas dizem,

Apenas acredite na beleza de suas crenças.

Em algum lugar isto é importante para mim,

Chove lá fora e eu estou chutando e pulando nas poças,

Está todo mundo vendo, mas eu não me importo,

Meus pés estão molhados agora, e eu corro,

Estou correndo atrás dos pássaros, eu quero voar também,

Mas os dias estão difíceis e pesados, sem visibilidade.

Estou em minha gaiola, e qualquer dia sairei.

Voarei então para bem longe, e vou pousar em seus ombros,

Mas só farei isso se nele estiver um palha para meu ninho.

Noites de Natal, tudo me lembra uma noite de natal,

As pessoas cantam todos os dias, noites felizes.

Como se toda maldita noite fosse noite de natal.

Eu não estou carregando um saco de presentes,

Eu não tenho meias penduradas na minha porta,

Eu apenas passo a meia noite na espera,

Estou com frio na beira da janela,

Estou contemplando as estrelas,

E você sabe que eu gosto de estrelas,

E eu acredito que isto é real…

Anúncios

O Girassol

Acordando todas as manhãs, tomando um banho em um chuveiro que não esquenta. Eu sinto as gotas de água fria escorrendo em minhas costas. E no meio de algumas gotinhas quentes, elas são um balde de água fria, principalmente depois de uma noite com sonhos perturbadores e doces do qual não consigo me lembrar. Lembro apenas detalhes…minha mente está angustiada demais para se lembrar disso agora. Estou esperando os flashes cognitivos surgirem, e assim lembrarei…talvez. 

No tempo que está passando, as casinhas estão ficando bem pequenas, lá na horizonte, tudo passando como um filme. Eu vejo pequenos vilarejos com seus cemitérios particulares, um homem pastoreia suas ovelhas, na beira de um lago. Tudo isso nas terras lindas, e extremamente particulares. Lugares por onde eu passei e me marcou. E foi lá por essas terras, que eu me libertei, num caminho de volta para o lugar que eu mais Amo, um lugar ao qual estou de joelhos no meio do meu jardim particular, plantando minhas flores e as pequenas gotas de água que escorrem de minhas mãos, de meus dedos, aos poucos estou cuidando de meu girassol. Ele está lá, não importa se é real ou não, eu não me importo mais, eu cuido dele, independente se ele vai me amar ou não, se ele nunca estiver por perto. Eu não me importo. Eu já disse, eu já me entreguei. Eu vivo agora apenas na conformidade. O que tiver que ser será, e enquanto isso, eu cuido de meu jardim. Ele é meu não é?E eu faço o que bem entender dele,eu converso com minhas flores, enquanto eu cuido delas, se elas me escutam ou não, isso não me preocupa mais. Estou evitando me importar. Eu não estou criando mais expectativas. Em questões de partículas quanticas e o caralho a quatro(perdão lord, pela expressão), eu sou agora uma partícula neutra. Você sabe que eu estou lá, mas estou neutra. Eu não quero nada em troca, se você não puder me oferecer nada, não tem problema. Eu me conformarei com isso, eu já passei por tanta coisa nessa vida, o que mais eu não conseguirei suportar?Meus ombros são fortes, e eu lhe digo, Amor, eu sou Forte. Acredite…quando eu lhe disser isso.

Eu sei que existem os ladrões de flores. Quando se cuida bem de uma flor, ela fica bem bonita não é?Você cuida, rega, conversa, tem todo o Amor e carinho, mas daí vêm um carneiro e come a flor. Eu não posso construir uma redoma de vidro em sua volta. E da minha janela eu apenas observo, apenas observo você ao longe na sua dor amarela. E então eu rezo, eu faço uma oração por ti. É o que eu posso fazer, na noite, enquanto o grilo canta e nas manhãs que acordo. E assim vou seguindo meu rumo. 

 

“You don’t have to break your heart in two my love
You don’t have to play a part, it’s you I love
You don’t have to hide from yourself
You don’t have to be someone else, again

 

You don’t have to rescue me
You don’t have to watch me drown
You don’t have to give to me
All I want is you

 

Be there my love
Be there tonight
Be there my love
Be there tonight

 

You don’t have to dress yourself up
Or stay the same
You don’t have to smile
If I say smile

 

You don’t have to be the best
You don’t have to give me rest
All I want is all you have
Nothing else
Nothing

 

Be there my love
Just be there my love

 

If you want the whole of me
That’s all you’ll get
I sing this song
I’d give my health, give it all

 

You don’t have to…

 

(Ah, she whispered, she said ‘I need you now’)
(Ah, she said ‘don’t worry, please me now’)
You don’t have to worry, have to worry
If I fall apart
You don’t have to wear strings
Or do those things
You’re enough in my heart

 

You don’t have to hide from yourself
You don’t have to be someone else
All I want is all you have
All I want is you”

Oração

Pessoas gritando, pessoas correndo,

Crianças sorrindo, brincando em círculos,

Há a pressa, há a o ódio, há sorrisos.

Dia após dias, as pessoas seguem seus caminhos,

Num lugar onde pode se chamar de seu, o lugar que se ama,

Ou aquele único que restou, a última opção.

Quando chegar, e deitar seu corpo cansado,

Um novo dia virá coberto pela incerteza.

Por mais planos que sejam traçados,

Há sempre os erros de percurso,

Aquelas esquinas que entramos errado,

Aqueles caminhos na contramão de cada dia,

Fugindo da rotina, fugindo da mesmice.

Um linha torta, um passo em vão,

Um segundo, um gesto, um passo para trás,

E assim mudamos todo o eixo de nossas vidas.

E na contramão do destino estamos então,

Cada passo errôneo, caímos em falso,

Esbarrando no acaso de todos os dias,

Com um sorriso tornamos a graça, o nosso limite,

E assim em passos desnorteados em uma dança,

Em meus passos sem sincronia, estamos na deriva.

Nossos barcos balançam em mar revolto,

Quando chegamos na orla da praia,

Há uma brisa e as ondas estão calmas,

Por enquanto estou na tempestade em alto mar,

E eu achava que lá longe existia um Farol,

Mas ele não está lá, eu sei disso,

Está ventando e estou seguindo meu rumo,

Assim sem destino, sem esperança, apenas seguindo,

Estou me afogando com olhos bem abertos,

Erguendo minhas mãos aos Céus,

Estou pedindo uma vida mais sensata e bonita,

Onde posso ser eu mesma, sem medo, sem medo.

Pessoas choram, correm, falam ao celular,

Enquanto isso, estou distante, estou distante,

Ergui minhas mãos aos céus, buscando sentido.

Um momento após o outro,

Um dia após o outro, Senhor, me dê me um pouco…

Só um pouco de paciência e juízo,

Tire de mim todas as minhas ilusões,

Não existe Farol, estou sozinha, agora

Esse sentimento é só meu, só pertence a mim.

Não me faça acreditar naquilo que não existe,

Não me deixe cair em tentação naquilo que é distante,

Distante, recluso, incógnito,

Por que Senhor?Porque eu gosto daquilo que é distante e complicado?

Senhor, porque eu gosto tanto de sofrer?Me dê apenas amores de finais de semana…

Me permita Amar uma pessoa como um Objeto,

Amar sem esperar absolutamente nada em troca,

Me deixe enxergar tudo como algo banal, sem sentido.

Senhor, você sabe que eu nunca me senti assim,

Senhor, porque fez isso comigo?

Senhor…na orla da praia eu te pedi…

“Senhor, coloque alguém especial no meu caminho”,

E agora você ri, há uma cascata de deboche nos meus ombros…

Senhor, em cada ar que eu respiro,

Me traga a serenidade…nesse tempo de desespero e incerteza.

Que a Ignorância não me acometa, não me deixe cega,

Deixe meus olhos enxergarem apenas a realidade.

Só acredito vendo!Senhor…me deixe ver…me dê o ceticismo de São Tomé.

Senõr, que cada sentimento seja Forte, seja verdadeiro,

Mas que seja exato, e não incerto, que seja real e não apenas dor.

Eu agradeço por cada passo em falso, que segui nesta vida

Eu não amaldiçoo mais meus erros, minhas linhas tortas.

Eu sou intensa como uma orquestra, tenho a saudade de uma criança,

Toda criança tem um amigo imaginário, eu tenho um agora,

Será que ele é real?Só acredito vendo Senõr…

Ele me mostra suas chagas, mas sou pior que São Tomé…

Estou livre agora, estou em paz, Senõr, me dê um pouco mais,

De sensatez…e ceticismo…eu acredito agora…não…eu não acredito.

Senõr, afaste as mãos de meu rosto e enxugue minhas lágrimas…

Senhor, Senhor meu Pai, quantas vezes eu já gritei?

Por mais silenciosa que seja a minha oração,

Você me ouviu, quando eu lhe pedi, aos pés da orla,

Senhor, coloque alguém especial na minha vida,

E assim eu que não acreditava em nada, passei a acreditar,

Mas minha dor é tanta, que estou São Tomé de novo.

Senhor, quero meu ceticismo de volta,

Me faça acreditar, que ninguém pode me Amar,

E que Ilusões não nos trazem nada, apenas a dor.

Senhor, me traga o bálsamo do tempo,

Ele é uma Eternidade, ele cura as feridas,

E é nesse tempo, na paz e na solidão dos dias,

Que eu estou esperando teu apóstolo,

Na calma, no silêncio e na incerteza dolorosa de meus dias.

Me traga o seu bálsamo, para limpar as feridas,

Do meu Amor crucificado na cruz em forma de x.

Ele está machucado, eu posso sentir sua dor,

Só vou acreditar, quando ele me mostrar suas chagas

Enquanto não chega, e pode ser, pode ser Senhor,

Que esse dia nunca chegue, mas eu estarei aqui,

Na solidão, no silêncio, e na minha reclusão.

Talvez…talvez…um dia…eu acredite.

Traga seu apóstolo aqui e me aponte as chagas,

E então eu acreditarei…eu vou acreditar…

Eu somente acreditarei naquilo que meus olhos podem ver…

Mas meus olhos não vêem, mas meu coração sente…

E este sentimento, que eu quero não acreditar,

Agora, neste momento, enquanto eu escrevo,

Gostaria de não sentir nada, nada…

Absolutamente nada, nem as lágrimas, nem dor, nada…

Há um maldito cheiro de caramelo no ar,

Mas estou em silêncio…em silêncio

No escuro, na reclusão, sentindo cheiro

Fios de caramelo em minhas mãos,

Senhor, me tire daqui, dê-me paz,

E um pouco de paciência,

Está tão frio Senhor…eu quero os fios de caramelo,

Mas eu só acredito vendo…e sentindo…

Estou enxergando agora, Pai…Pai…eu enxergo com meu coração…

Meus olhos sangram e estão em constante arritmia,

Seu apóstolo, o irmão de Pedro não está encostado em meu peito,

Porque se Ele estivesse, ele sentiria meus olhos baterem bem alto…

E Mark Twain dizia: “Não abandones as tuas ilusões. Sem elas podes continuar a existir, mas deixas de viver…”

The Battle of Evermore

No meio de tudo há o Nada,

O conjunto vazio da matemática,

Eu vejo os números imaginários no ar,

Eu tento resolver equações sem solução,

Usando métodos longos e cansativos,

E no meio desse Caos, dessa poesia,

Há o cheiro doce…Caramelo…

E no meio da noite as estrelas caem,

Caem neste lugar, onde as estrelas dormem,

Me dê um pouco disso, só um pouco,

Um pouco de cada vez, eu me aconchego em teus pés.

Lá…lá onde as labaredas queimam,

Lá onde está está queimando uma fogueira,

Os meus medos estão queimando,

O meu corpo, minha alma, pega fogo,

O Caramelo está derretendo, na fogueira,

Estou queimando a ponta de meus dedos,

Delirando no cheiro doce e quente

Caramelo…Caramelo…

Eu queimo meus dedos e a ponta da língua em ti

Enquanto você está quieto e pensativo sentado em sua pedra,

Eu toco minhas castanholas, no ritmo alucinado de seu pensamento,

Eu não sei qual é o ritmo, mas eu toco como eu acredito que seja,

Tudo começa suave, tem seus momentos de fúria…depois vêm a paz…a treva de novo.

Pode ouvir meu Amor?As castanholas batem fortemente uma na outra…depois…

Suavemente, acompanhando notas doces de um violão espanhol…

Notas doces…com cheiro de Caramelo…

Enquanto toco minhas castanholas,

Estou batendo meus pés num ritmo flamenco,

Eu te vejo sentado numa pedra, numa linda pedra

Há pedras menores, cobertas de musgos,

[Ao teu redor]

Meu Amor, você não escorrega neles, e não conversa com eles

[Eu não cheguei nesse nível ainda]

Você diz…você diz…Eu me lembro…eu me lembro

De cada palavra que me diz, sabia disso?

Estou estalando meus dedos, te convidando pra dançar

A fogueira está queimando, o Eremita está em silêncio,

[“Quando eu brinco de ermitão”, ele diz….]

Eu estou esperando meu Amor me chamar,

Estou entrando em Colapso,

Estou absorvendo todas as emoções e sensações em meu redor,

Amor estou queimando, jamais negarei isso,

Amor, olhe o horizonte…e sinta…sinta,

Pode ver o quanto sua alma é bonita?

Sua alma…sua doce e solitária alma,

Que em momento de Fúria, grita,

Mas ela grita, sutilmente, no Silêncio.

Sua Alma, sua Alma, Meu Amor,

Ela tem todas as cores do arco-íris

E o cheiro de Caramelo, é intenso em ti,

Na escuridão da noite, eu puxo seus fios

Caramelo, Caramelo, Caramelo…

Eu vejo seu reflexo na luz do sol

Você brilha igual um prisma, Meu Amor…Tuas Cores

Tuas cores são cheirosas…são cheirosas

Em três tempos meus pés se movem,

Na minha dança da Andaluzia,

Eu abro e fecho meu leque, escondendo meus olhos,

Mas eu mostro meus punhos, e o dorso de minha mão,

Elegantemente deixo escapar um pedaço de minhas perdas,

Enquanto rodopio com as castanholas chorando em minhas mãos,

E você está lá, fumando um cachimbo…Coisas de Eremita…

Eremita, apague a luz de sua lanterna,

Eu quero te iluminar com a luz de minha fogueira eterna,

Eu a acendo somente para ti, Eremita,

O combustível dela, é apenas meu Amor,

O Tempo apenas a torna mais forte…apenas a alimenta sua combustão.

Eleve-se no alto das montanhas,

As pedras rolam montanha abaixo,

O deslocamento delas move a terra,

E então a terra se mistura no orvalho,

Sinta o cheiro, Meu Amor, sinta esse cheiro.

Agora…Agora…Agora…Agora…Agora

Pode sentir Agora?Pode sentir Agora?

As pedras rolam, as pedras rolam,

Montanha abaixo, Montanha abaixo,

Caindo dentro de um lago, dentro de um lago.

Há luzes coloridas no céu…Amor…consegue vê-las?

Auroras Boreais, Amor, já viu uma Aurora?

As fagulhas da minha fogueira, quando sobem para o Céu,

Ficam dançando lá no alto…Aurora Boreal…Fogueira Boreal,

É o calor de minhas emoções, a Fúria de meus sentimentos.

Dançando na escuridão da noite,

Num quarto fechado o grilo canta,

No meu universo particular, há várias coisas,

Existe o Anjo, o Demônio, existe a criança, existe o Homem,

E são todos uma única pessoa, O Eremita…

Meu tempo é o aqui e o agora…e o depois

Neste lugar…neste lugar…

Amor, olhe o horizonte, o sol está sorrindo,

Eu vejo as rosas perto de ti, num canteiro,

E elas meu Amor…são lindas, cheirosas

Mas o cheiro de Caramelo predomina,

Todo o Tempo…neste lugar…quando tu me olhas

Por dentro, assim, mesmo de longe…Meu Amor,

Você é único, Eremita que lê pensamentos.

Amor, cante uma canção para mim,

Cante um poema na beira da fogueira,

Diga Bang!Diga Bang!Diga Bang!

E então eu cairei rindo!E depois vou correr,

Vou correr numa dança andaluz…

Basta você bater palmas ritmadas,

E eu voltarei perto de ti…agora eu estou voando

Voando com minhas asas quebradas…

Amor, tem uma árvore seca de galhos retorcidos,

Querido, eu amo árvores, venha comigo…

Estou subindo numa árvore, estou esperando você dizer,

[Você é teimosa, “você já quebrou alguma coisa?”]

[“Lembra que eu te falei?Tome cuidado!”]

Amor, estou te observando, como uma coruja numa árvore,

Meus olhos são grandes, tudo em meu rosto, é exagerado.

Estou sentindo minha paz agora,

Neste lugar, tão escondido, sorria meu Amor!

Quando você está no alto de sua montanha,

Consegue me ver sorrir?Amor, estou em Colapso.

A areia do tempo está escorrendo em minhas mãos,

Grão a grão, eu estou construindo meu espelho,

Você construiu sua redoma, sua redoma nas montanhas,

Eu estou construindo um espelho, Amor…estou te vendo

Enquanto está sentado aí, na sua pedra,

Com  seu cajado assentado na beira de seus pés,

Eu estou dançando…estou dançando olhando pra você.

E você está olhando para baixo, tocando a pedra com as pontas dos dedos,

De vez em quando você ergue os olhos, e me vê?

Quando você me vê, saiba que estou abaixando meu leque, aos poucos,

Veja um pouco de meus olhos, a cada dia, eles se revelam mais.

Diga Bang!Diga Bang!

Caramelo, eu vejo você em ponto de Bala,

Em meus sonhos, neste lugar que você tanto adora,

Estou puxando todos os seus fios, fios de bala,

Fios de Caramelo derretido!

Estou fazendo um vestido para mim,

Pois seus fios, seus fios me aquecem,

Na escuridão da noite, no alvorecer do dia,

Na incerteza dos dias, eu estou te puxando.

Caramelo, tu tens um gosto tão bom…

Caramelo, caramelo…caramelo com cores do arco-íris,

Dance na escuridão da noite, dance, dance comigo.

Eleve sua alma para os céus, ela se transformará

Na mais linda Aurora pela noite, num arco pela manhã…

E diga Bang!Dia Bang!Diga Bang!Meu Amor!Diga…BANG!

Me atinja com seu raio perfumado de luz, me pinte com suas cores!

Agora, Agora,Agora…

Eu estou sentindo a curvatura do tempo espaço,

Eu posso sentir isso…quando eu te vejo…eu derrapo nessa curva,

Eu não tenho medo, de me acidentar nessa curva…ela é Suave…

Quando sinto sua fala, sua conversa, eu estou voando,

Para um novo lugar…um novo lugar…mente angustiada…

Estou indo para o lugar dos esquecidos,

Amor, me tome a mão e diga,

Não abandone a escuridão do seu fogo ambíguo,

Oh Amor, eu estou indo, eu estou indo,

Amor, estou indo embora, me dê um beijo,

É tudo o que eu mais quero, me dê um beijo nas montanhas de Andorra,

E quando me ver partir, quando eu abaixar meu leque, e me ver chorando,

Dia Bang!Diga Bang!Amor, me diga…Bang!

E então, neste lugar, eu ficarei…eu ficarei então…

Somente se me pedir, para que fique

Oh Deus…somente ele sabe o quanto quero

Pertencer a este lugar, este lugar que você chama de seu.

Estou tocando minhas castanholas…no ritmo do seu coração,

Devagar…devagar…ele toca tão devagar…estou encostando em seu peito,

E ele sobe calmamente a cada respiração tua…está cansado Amor,

Te dou todo o Tempo do mundo…Amor, estou esperando

Curtindo uma música com acordes flamencos…

Amor, Estou fazendo um vestido novo,

Amor, Estou derretendo junto com você,

Assim eu acredito, assim estou esperando,

Você se derreter, Amor, se derreta, eu quero seus fios,

Caramelo, Caramelo,

Eu vou me envolver, eu vou te pegar,

Delicadamente, vou enrolar você em volta de mim,

Eu estou com frio meu Amor, seus fios são Suaves…como a seda

São nobres como o linho egípcio, quentes como a lã das montanhas.

Caramelo, Caramelo, o seu cheiro é tão bom!

Assim, mesmo na obscuridade, na reclusão, na distância…

Eremita solitário, saiba de uma coisa:

Lá onde as estrelas caem, eu estou dançando,

Eremita, traga sua lanterna mesmo assim,

Eu tenho minha fogueira, mas ainda assim…está escuro,

Eu preciso de sua Luz, me traga sua lanterna,

Eu sou como uma mariposa, numa dança espanhola,

Eu estou batendo em sua Luz, estou te chamando,

Estou rodopiando em volta de sua Luz,

Ouve esse som…a mariposa está batendo na sua luz,

É o bater das asas da mariposa, é o som das castanholas,

A fúria da abertura de um leque, e o vento que lhe toca o rosto,

É o deslocamento de ar causado por meu manto.

Então, quando puder, quando quiser, quando estiver em paz,

Diga Bang!Diga Bang!Diga Bang!

E então…então eu cairei, enrolada em seus fios…

“Queen of light took her bow
And then she turned to go
The prince of peace embraced the gloom
And walked the night alone
Oh, dance in the dark of night
Sing to the morning light
The dark lord rides in force tonight
And time will tell us all”

Neblina

Bancos vazios no parque urbano,

O balanço não se move mais

Não se vê mais os risos das crianças.

O riso delas agora é puramente eletrônico,

As pessoas riem usando um simulador.

 

Simulador de risos,

Pergunte para mim se está tudo bem, 

E eu lhe direi: “Tudo bem e você?”

Pergunte como foi o meu dia hoje,

Ele pode ter sido bom, mas você sabe,

Você sabe o que falta para me sentir completa.

 

Eu estou esperando, estou esperando.

Não me importa mais o tempo,

Eu estou esperando, e seja o tempo que for,

Eu estou esperando, e vejo as folhas,

As folhas de outono caindo sem parar,

Eu acordei hoje e vi a neblina pela janela.

E no meio da manhã, eu sei que ela vai embora.

Em meus olhos, Meu Amor é suave,

Suave e constante, em minha Memória.

 

Eu estou te amando agora Meu Amor,

Saiba que eu não vou embora, 

Eu estarei sempre aqui, como uma neblina,

Como uma neblina em terras geladas,

Quando acordar de manhã, no cair da tarde,

E nas altas madrugadas, eu quero ser sua neblina.

Amor, eu adoro a noite, e as manhãs…

O Frescor das manhãs, a sensatez da Noite…

Hoje o dia amanheceu estranho. Não sei dizer o porquê, pois está tão bonito aqui fora!Não está mais aquele calor que deixa as pessoas meladas, está tão fresco!!!O sol está suave, mas hoje eu passei o dia inteiro bem quietinha, totalmente em OFF, rindo com escárnio. Eu acho que deve ser a saudade. Eu não tenho outra mísera explicação.

Estou trabalhando muito, são linhas e linhas de códigos e informações todos os dias. Eu saio de lá com minha cabeça girando, quero um momento só pra mim depois disso. Por isso que você me verá toda distraída no fim da tarde. Para descansar a cabeça, eu me desligo de tudo ao redor. E isso me rendeu um assalto na segunda-feira. Mas estou viva, meio em choque, mas enfim viva. A primeira vez é sempre marcante não é?

As pessoas tem o costume de dizer: “O dia passou rápido hoje não é Ana?”, eu olho e digo: “Nossa, é verdade, mal podemos prever a passagem do tempo”, e então eu continuo tomando meu café. Estou tomando litros e litros de café. Programar me dá sono. Eu não gosto disso. Eu me sinto uma inútil, não é algo que eu goste de fazer, mas em breve eu vou fazer aquilo que eu gosto. E esses três meses estão demorando muito para passar. As pessoas estão achando que tudo está passando muito rápido, mas eu olho os ponteiros e tudo parece estar passando em câmera lenta. Se eu te visse meu Amor…os meus segundos com certeza passariam muito rápido. Mas enquanto isso não acontece, eu amaldiçoo o stop motion do Tempo. Eu queria voltar atrás Amor…talvez eu faria as coisas do jeito certo, mas eu creio que não, nossos erros e traumas do passado nos tornam mais fortes. E eu me tornei mais forte. Eu acredito muito nisso, hoje sou uma pessoa melhor, porque ja dei muita cabeçada nessa vida, e pago por meus erros até hoje. Meu pai sempre me lembra disso, todos os dias. E ele faz questão de me lembrar disso, sobre o quanto ele sempre esteve certo…

Este texto está uma bosta. Perdoe meu linguajar meu bem, eu sei que você é um homem educado, que não xinga nem meu amigo folgado que disse que tu és um gostoso. Você deveria ter mandado ele pra pqp, mas como sempre, você não vai rebaixar seu nível não é?Eu sou estourada, não seja como eu. Mas o Linardo é legal, ele é legal e é hétero. É como um irmão pra mim, e ele vive rindo de 99 por cento das coisas que eu faço e vive me dando puxão de orelha, e querendo me trollar de alguma forma. Uma delas é: “Fala pra ele que eu achei ele gostoso”, eu dei risada…e sou uma palhaça. Quer prova disso?

Milton chega pra mim hoje e diz:

-“Ana, conhece a piada do pintinho Relam?”

-“Não Milton, qual é?”

-Quando chovia, RELAM”PI”AVA

É claro que eu ri…é claro. Sim meu bem, eu ri disso. Pode contar piadas de gosto duvidoso pra mim, você pode crer que eu vou rir!

Mesmo esse texto sendo muito ruim, eu vou continuar com ele. Escrever é uma libertação pra mim. Eu me sinto livre fazendo isso. É numa folha de papel, durante minhas manhãs, e neste humilde blog que eu descarrego tudo, mas tudo o que eu penso, tudo aquilo que estou guardando, as minhas emoções e todos os meus mimimimis, bibibis…Eu lembro de Cribcaged…Essa música me acalma o espírito. Eu me vejo destruindo paredes com uma marreta, quebrando copos, pratos, jogando garrafas no chão, no teto, na parede…Depois de destruir tudo eu deito no chão e fico rindo loucamente. Lágrimas escorrem do meu rosto, estou chorando de rir. Eu gosto do Caos às vezes. Ele me conforta, eu vejo a beleza no Caos. Ele me torna mais forte, mais viva, mais Forte. Quando o Caos aparece, e ele é bom, eu entro em estado de Fúria, e depois na calmaria. É como fazer Amor com a pessoa que se deseja há tempos. Tudo começa com Fúria, desespero!Há pedaços de epitélio nas unhas que arranham as costas, há manchas vermelhas no pescoço e na nuca, há roupas rasgadas no chão, sapatos jogados perto da porta, há o som da respiração ofegante no ar, o quarto é quente e abafado, mas há uma brisa na janela e chove lá fora…Depois da Fúria, vêm a calmaria…e o sábado de manhã…e o sábado de manhã.

Desejo de Outono

O friozinho matinal está chegando,

Já posso usar meus cardigans e suéters velhos,

Juntar as folhas que caem em meu quintal,

São as folhas do meu ipê, elas caem no Outono,

E na primavera ele me dá as flores perfumadas.

O que acontecerá na primavera Meu Amor?

As flores serão bonitas e coloridas dessa vez?

Vou passar o Outono todo te esperando,

Esperando você me convidar pra deitar-me,

Nas folhas secas que tem no chão,

Conte-me uma história, e então…

[Adormecerei em teus braços, veremos então,

[O resto das folhas caindo lá de cima]

Amor, Quando o Outono chegava pra mim,

Eu gostava de juntar as folhas bonitas e coloridas,

E fazia delas meus marcadores de livros.

Nesse Outono que chega Meu Amor,

Todas as manhãs eu escreverei,

Pode ser um grito de agonia, uma mente angustiada,

Uma súplica, um desabafo.

Eu escrevo Amor, voltei a escrever em folhas de papel,

Sabe aquele caderno que te falei?Que comprei e não usei?

Eu não tenho todo o peso do mundo em meus ombros,

O único peso que eu sinto agora meu Amor, é a

[Saudade.]

É engraçado, acho a consciência humana uma grande piadista,

Uma dançarina de flamenco, uma feiticeira incólume e imprevisível,

Um Flautista que leva as crianças embora com sua música mágica,

E que depois mata as crianças afogadas na agonia de seus risos,

Na sua pureza, na inocência e nos sonhos de algodão doce.

Porque Meu Deus?Porque o Senhor escreve em linhas tortas?

Porque nos faz sentir saudade daquilo que nunca tivemos?

Aquilo que contemplamos em épocas passadas, sem expectativas,

Aquela fisionomia bonita e inquieta que eu via todas as manhãs,

Aquele garoto infanto-juvenil que eu não sabia o nome,

Aquele teu apóstolo que morreu numa cruz…

[Em forma de X]

A mente, a Razão, a incerteza de meus dias,

Serei apenas uma criança levada, aquela…

Aquela que dança no escuro, sem medo de cair,

Essa criança, com minhas luvinhas brancas

Que sonha com a folha inatingível lá no alto…

Amor, estou soprando minha brisa pra você,

Estou deitada aqui, embaixo do Carvalho,

Com um livro aberto sobre meu peito,

Há uma legião de folhas ao meu redor,

Mas eu não quero elas Meu Amor!

Eu quero você, que está lá em cima,

Estará você olhando pra mim também?

Você está balançando com a minha brisa?

Meu Amor…

[“Shake for me boy!I wanna be your lover!]

A incerteza é minha dor,

É a minha treva de todos os dias…

Terei Forças e coragem para subir até lá em cima?

Te arrancar, te roubar, assim, de surpresa?

Sem ao menos nem lhe pedir permissão?

Posso te arrancar lá em cima e te guardar?

Lhe apertar forte contra meu peito?

Lhe mostrar passagens bonitas no livro de minha vida?

Enquanto você estiver lá… Meu Amor,

Reinando soberano, lá no alto, como um Anjo,

Eu estarei lá embaixo, olhando pra você.

E meus lábios rubros, querem lhe tocar a face.

Tu tens a aspereza de uma folha semi seca,

Pois metade é veludo e outra parte é barba por fazer,

Seu cavanhaque é puro dilúvio, tormenta e causa,

De noites mal dormidas, pois sua pele branca e olhos castanhos…

Eu posso ver suas veias, através de sua pele,

Oh meu Deus…permita-me, permita-me pelo menos,

Ter você assim, nos meus sonhos…estarei eu…nos olhos de um furacão…

[Love me like a hurricane…]

Meu amor, você me sacode, e você está lá em cima,

Sou eu que tenho que te sacudir, mas sua Força é maior que a minha.

Você faz isso sem querer?Amor, você não existe…você é um Anjo,

É a alucinação de um absinto…

Amor, você é como um Prisma,

Quando o sol lhe toca a pele,

Eu vejo todas as suas Cores,

Suas cores, são lindas, Meu Amor,

[Suas cores…minha Folha de Outono]

Enquanto olho suas fotografias, eu fico um pouco mais feliz…

Mesmo na incerteza de meus dias, na incerteza de seus sentimentos,

Eu estarei te esperando…Amor…estou te esperando!

Você sabe que eu seria incapaz, de fazer aquilo que você não queira,

Estou esperando…esperando você cair por mim.

Enquanto você não se rende meu Amor,

Eu estarei aqui embaixo, te olhando com meus olhos grandes,

Esperando que um dia eu te derrube…

Worried Mind

Todos os dias pela manhã, eu vejo os primeiros momentos se passando, os segundos vão passando com a voracidade de um homem faminto. As pessoas passam, com seus típicos mal-humores matinais, olham o horizonte a procura de algo pequeno para se alegrar, ou talvez encontrar algum motivo para se alegrar durante o dia. Tem pessoas que somente são felizes aos finais de semana. Passam a semana toda de mal humor. Algumas pessoas tomam um  café amargo no bar da rodoviária, enquanto folheiam jornais e revistas de fofoca. Algumas mulheres tentam equilibrar seu orgulho num salto de 15 centímetros de puro sofrimento. Mexem seus quadris como a volúpia do bater das asas de uma borboleta. Em homem olha e se encolhe no banco. Ele então coloca a bolsa no colo…SACUMÉ NÉ?

Quando eu chego em casa, depois de um dia cansado, eu tiro meus sapatos, mexo os dedos dos pés, que estão cansados, doloridos. Eu só quero que eles descansem um pouco. Quero tomar um banho sem a pressa das manhãs, aquele em que posso fechar os olhose não me preocupar mais com nada. Aquele em que imagino tomando uma estrada sem rumo, no meio de uma chuva de verão, aquela que refresca e lava o corpo das chamas, do cansaço, minha tristeza, meu fracasso, minhas emoções exageradas. Mas o meu Desejo, o meu Amor, a chuva só o torna ainda maior. Posso brincar na chuva como uma criança, mas o meu desejo não é nem um pouco infantil, mas é puro…puro e bonito.

Quando desligo o chuveiro, eu penso: “Está na hora de aterrissar agora.” E então transporto meu corpo molhado e cansado para uma toalha felpuda e macia. E então vou até o fogão, enrolada na toalha e aqueço uma xícara de água. Gosto de tomar chá após o banho. É um ritual que eu tenho todos os dias. Todo mundo tem lá suas manias não é?Eu gosto disso, tomar banho sem pressa, colocar a roupa sem pressa, tomar chá sem pressa. Amor…Odeio a pressa…Percebeu???

E depois do banho, eu coloco uma música, aquela que traduz meus sentimentos no momento, ou apenas coloco o Itunes no modo Shuflle. Mas quando e gosto de uma música, Meu Amor…o repeat executa sem parar. Quando eu gosto de uma coisa, eu gosto de contemplá-la, como um Deus, eu gosto de olhar, sentir, vislumbrar. Eu sou muito visual, talvez seja por isso que eu goste tanto de Arte. Amor, eu me emociono fácil. Sou frágil meu bem. Se eu lhe ver sorrindo, eu vou passar por um arrebatamento de sensações, meu coração vai disparar, você vai ouvir minha respiração ofegante. Eu não vou conseguir disfarçar meu Amor. Eu não sei fazer isso. Meu humor amoroso é uma comédia pastelona, onde os atores não seguram o seu riso, não conseguem segurar a emoção. Amor, você me tira do sério, me vira do avesso, e eu te amo em duas dimensões: Inferno e Céu.

Amor, eu sou uma criança ridícula com um doce barato nas mãos. Hoje eu acordei de manhã, e tinha uma caixa de guarda-chuvas de chocolate em cima da mesa. Eu vi aquilo e pensei: “The children’s feelings come back again…and again!”. Apesar dos guardas-chuvas de chocolate serem puro chocolate hidrogenado, eles me trazem boas memórias, mesmo sendo apenas um chocolate que dança rançoso na boca. Isso me lembra os tempos de criança, puros e sem preocupações maiores. Quando somos crianças, não exigimos muito das coisas. Todo doce é bonito aos olhos, todo sabor é bem-vindo. Amor, nos meus sonhos…você cheira caramelo…adoro caramelo, aqueles que enrolam no dedo…bala puxa-puxa. Quero enrolar seus cabelos em meu dedo, como bala puxa-puxa. Você parece ser tão doce…e ao mesmo tempo, um bombom de chocolate com pimenta…doce, mas picante. E você não precisa fazer nada, basta sorrir, basta sorrir e eu me sinto na fábrica do Willy Wonka.

Quando eu passei por Santa Catarina, eu encontrei daquelas balinhas que parecem remédio. Eu comprei algumas e dividi elas com meu irmão. Mas, uma, uma, Meu Amor, eu guardo até hoje, e carrego ela comigo, todos os dias.Sabe porque meu Amor?Porque quando eu não estiver distraída e com a maldita pressa, e de repente eu olhar no horizonte, e ver teu rosto na multidão, eu irei até você, eu juro, não vou me envergonhar, você verá meu rosto queimar, não te garanto que será somente vergonha, eu sou tímida meu Amor, é verdade meu Amor, acredite quando eu lhe digo isso. Mas enfim, continuando, meu Amor, eu irei atrás de você, te olharei nos olhos e lhe direi: “Hey!Como vai!Muito bom te ver. Abra as mãos e feche os olhos agora!”, e então eu irei colocar a balinha que parece remédio em suas mãos, e fecharei seus dedos em volta dela. E vou lhe dizer: “Lembre-se de mim agora, como essas bolinhas coloridas.” Eu não me importo, se você vai comer tudo de uma vez, se vai guardar de recordação, se vai achar que eu sou uma louca…Amor…estou mentindo, eu me importo sim. Apenas finjo não me importar, mas você sabe meu Amor, você sabe que eu me preocupo demais. Você sabe que eu ficaria muito feliz, se eu te visse sorrir quando abrir sua mão e me dissesse, “Nossa!Balinhas que parecem remédio!Você alegrou a minha vida hoje!”. E assim, falando desse jeito, eu me sentirei como um torrão de açúcar. E a única coisa que eu quero agora, é ser aquele cubo de açúcar que adoça sua bebida. Aquele que você joga dentro e se dissolve. Amor, você me sacode, e eu me derreto toda…feito açúcar. Ohhhh So sweet, my dear…

“I’m just a soul whose intentions are good
Oh Lord, please don’t let me be misunderstood…”
“Since I’ve been loving you
I’m about to lose my worried mind
Said I’ve been crying, my tears they fell like rain
Don’t you hear, don’t you hear them falling?”

Stars Die – We lost the Skyline

Pedaços espalhados, em cima da cama, dos móveis, no ar,
Respiro metade de minhas convicções, transpiro metade de meu Amor,
E se eu pudesse tocar o céu de meus Amores, tristezas e alegrias,
Talvez este toque seja apenas durante um milionésimo de segundo,
Um momento em que meus lábios sussurram uma canção triste,
Usando exaustivamente todas as notas musicais, em tom desafinado,
Talvez, um pouco petulante, minha canção é apenas um silêncio,
E as estrelas lá no céu de Andrômeda já estão mortas,
E a morte nunca me foi tão bonita aos olhos… Estrelas… Morrem.

Temos um céu de nuvens tímidas lá fora, pequenas formas,
À noite, estrelas, brincando entre quasares pulsantes,
E o meu coração pulsa, no meio da madrugada,
Em frente a minha janela, eu vejo as estrelas mortas lá no céu,
E este céu, o quebra-cabeça de meus pensamentos, unidos,
Levam-me à frente das minhas orações, tão pessoais,
Para aquele Deus que talvez nem exista, como as estrelas,
Cujo brilho talvez já morto, eu acho tão bonito, como um diamante,
Lapidado, feito minha alma tão inquieta, sem preço para comprar.